Conselho Municipal de Proteção Animal quer reabertura de delegacia própria para animais em Campinas, SP

Sem operação há quase dois anos, o SEPAMA (Setor de Proteção ao Animal e Meio Ambiente da Polícia Civil de Campinas), a primeira delegacia do estado de São Paulo especializada em apurar casos de maus tratos aos animais, voltou a ser uma reivindicação dos ativistas.

A unidade, que funcionou entre 2010 e 2013 no bairro de Nova Campinas, foi fechada sob a alegação da Secretaria de Segurança Pública de que faltava equipe e que havia a necessidade de adequação administrativa. Porém, a presidente do Conselho Municipal de Proteção Animal (CMPA), Ingrid Menz, afirma que os maiores problemas foram de ordem política.

De fato, o SEPAMA foi palco de uma disputa política em 2012, ano em que a delegada Rosana Mortari, que comandou a unidade desde a sua inauguração, disputou o cargo de vereadora em Campinas. Depois de se licenciar, Rosana foi impedida de voltar à delegacia, o que provocou uma série de reclamações entre os protetores. O motivo, segundo ela, seria a interferência do então deputado estadual pelo PEN, Feliciano Nahimy Filho, que foi alvo de um inquérito civil aberto na Promotoria de Meio Ambiente do Ministério Público (MP) por supostos maus-tratos a animais e crime ambiental ocorridos no antigo abrigo da União Protetora dos Animais (UPA), fundado pelo deputado em 2001. Rosana acabou retomando a função, mas a delegacia foi desativada meses depois.

A presidente do conselho relata que são inúmeros os casos de maus-tratos ocorridos em Campinas, mas que as pessoas encontram dificuldade para fazer a denúncia, que hoje pode ser registrada em qualquer distrito policial.

Ainda de acordo com Ingrid, o CMPA está elaborando uma carta aos pré-candidatos à prefeitura de Campinas contendo uma série de reivindicações. Além da volta da Delegacia, o grupo pede a manutenção do trabalho de castração nos bairros e exige que o Bosque dos Jequitibás seja administrado pelo Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal. Para ela, a criação do estatuto animal, que levou nove anos para ser elaborado e agora aguarda votação na Câmara de Vereadores também pode ser uma medida eficaz no combate aos crimes dessa natureza.

A expectativa é que a proposta seja votada em setembro e comece a valer até 4 de outubro, dia nacional dos animais. Já quanto à volta da delegacia, a Secretaria de Segurança Pública diz que não há previsão para a reimplantação.

Fonte: Rádio Brasil

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.