Cordeiros abatidos para a Páscoa: imagens chocantes da Itália

Cordeiros abatidos para a Páscoa: imagens chocantes da Itália
Foto: Essere Animali

A organização italiana de direitos dos animais Essere Animali divulgou novas imagens que documentam a produção cruel de cordeiros na ilha da Sardenha.

O vídeo mostra cordeiros mortos de maneira desumana e dolorosa na Sardenha, uma das regiões europeias mais importantes para o leite de ovelha. “Para produzir leite, as ovelhas devem dar à luz cordeiros que geralmente são mortos por causa da carne apenas 30 dias após o nascimento”, afirma um porta-voz da Essere Animali.

Na província de Oristano, os investigadores filmaram o transportador ao pendurar um grupo de cordeiros pelas patas e deixá-los por até dez minutos para pesá-los. Essa prática é proibida por lei, pois causa sofrimento e pode levar a ferimentos graves.

Cenas horríveis também foram gravadas em um matadouro na província de Sassari. Os trabalhadores tratam os animais com descuido e negligência, apesar da presença de veterinários. Os cordeiros, com apenas um mês de idade, são forçados a assistir seus companheiros morrerem. Alguns não estão devidamente atordoados e precisam suportar a dor do atordoamento elétrico duas vezes, pois os trabalhadores esperam demais para cortar a garganta. Enquanto isso, alguns recuperam a consciência, ao passo que outros são mortos quando ainda estão conscientes.

O consumo de cordeiro é especialmente popular na Páscoa e no Natal. “Os fazendeiros confessaram que em outras épocas do ano, quando a demanda dos consumidores por carne de cordeiro é menor, eles matam cordeiros recém-nascidos, pois, economicamente, não faz sentido criá-los”, continua a associação. “Esta é uma prática ilegal que constitui claramente um crime nos termos do artigo 544-bis do Código de Processo Penal italiano.”

A organização já denunciou os responsáveis ​​ao Ministério Público do distrito de Cagliari. Ela também pediu a intervenção imediata da Agência de Proteção à Saúde (ATS Sardenha) e do Ministério da Saúde italiano para investigarem melhor as condições sob as quais milhões de ovelhas são criadas na ilha.

De acordo com dados do Ministério da Saúde italiano e do Instituto Nacional de Estatística (ISTAT), em 2019 a população de ovelhas na Sardenha era de 2,9 milhões de animais, e cerca de 548.000 cordeiros foram mortos por sua carne. “Se considerarmos que uma ovelha em uma fazenda geralmente dá à luz pelo menos um cordeiro por ano, e que metade dos cordeiros recém-nascidos são fêmeas criadas para o leite, o número total de cordeiros abatidos para a carne deve ser de pelo menos um milhão , ”Afirma Essere Animali. “Os dados oficiais não refletem a realidade: parece que todos os anos milhares de recém-nascidos não são identificados e registrados no banco de dados nacional de gado”.

No passado, a Essere Animali divulgou outras investigações que expõem a matança cruel e dolorosa de cordeiros em matadouros italianos. No entanto, é a primeira vez que a organização conduz uma extensa investigação secreta na Sardenha, a região com o maior número de fazendas de ovinos e caprinos na Itália.

“Mesmo quando o abate de cordeiros é realizado em conformidade com a lei, ainda é uma cena de partir o coração. Esses animais, com apenas um mês de idade, ficam aterrorizados e choram em desespero depois de serem separados prematuramente de suas mães. Por esse motivo, este ano relançamos a campanha #IDontEatLamb (não coma cordeiro) para convidar as pessoas a celebrar uma Páscoa sem crueldade sem comer cordeiro, assim como a carne de outros animais ”, conclui o porta-voz.

Quando a demanda dos consumidores por carne de cordeiro é menor, matam-se cordeiros recém-nascidos, pois, economicamente, não faz sentido criá-los.

Por Essere Animali / Tradução de Maria Leticia Guerra Machado Coelho

Fonte: Eurogroup For Animals

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.