Coreia do Sul quer banir consumo de carne de cachorro, e produtores ameaçam soltar 2 milhões de cães em Seul; FOTOS

Coreia do Sul quer banir consumo de carne de cachorro, e produtores ameaçam soltar 2 milhões de cães em Seul; FOTOS
Produtores de cachorros levam animais em gaiolas a protesto contra possível banimento — Foto: Anthony WALLACE / AFP

Produtores de carne de cachorro da Coreia do Sul tomaram as ruas de Seul nesta quinta-feira (30), em protesto ao possível banimento do consumo no país. Na semana passada, o Partido do Poder do Povo e o Partido Democrático da Coreia apresentaram dois projetos de lei que pretendem proibir a produção, a venda e a compra de carne de cachorro.

Cerca de 200 fazendeiros, donos de restaurantes e outros profissionais ligados ao ramo protestaram em frente ao prédio do gabinete presidencial hoje (30), com repressão de forças de segurança. O presidente da Associação de Produtores de Carne de Cachorro da Coreia, Joo Young-bong, também ameaçou soltar dois milhões de cães em Seul, em áreas próximas a prédios públicos e/ou residências de políticos.

As propostas de banir o consumo de carne de cachorro são apoiadas pela primeira-dama da Coreia do Sul, Kim Keon-hee — que, dona de seis cães com o presidente sul-coreano Yoon Suk Yeol, é contra o hábito.

Mas ela não é a única desfavorável ao comércio: de acordo com uma pesquisa conduzida pela empresa Gallup Korea em 2022, 64% da população sul-coreana é contra o consumo de carne de cachorro. No mesmo estudo, apenas 8% dos entrevistados afirmaram ter consumido carne de cachorro no último ano.

Com suporte bipartidário, os projetos do Partido do Poder do Povo e do Partido Democrático da Coreia propõem detenção de 3 a 5 anos e multa de pelo menos R$ 114 mil para quem estiver envolvido na produção, venda ou consumo da carne de cachorro.

Se um dos projetos for aprovado, o consumo de carne de cachorro deverá ser banido no país até 2027. As propostas preveem apoio financeiro a comércios que sobrevivam da venda do produto, como restaurantes, fazendas, açougues e revendedores. Os produtores terão de apresentar um plano de remoção do mercado.

Não é a primeira vez que o governo sul-coreano tenta banir a carne de cachorro. Em 2021, o ex-presidente Moon Jae-In tentou propor a proibição, mas voltou atrás na decisão após protestos dos produtores.

Dados da Coreia do Sul estimam que há 1,1 mil fazendas, 1,6 mil restaurantes e 34 casas de abate que trabalham com a produção de carne de cachorro. De acordo com a Associação de Produtores de Carne de Cachorro da Coreia, atualmente existem 1,5 milhões de cães em criação.

Veja fotos da manifestação dos produtores de carne de cachorro em Seoul nesta quinta-feira (30):

Fonte: O Globo


Nota do Olhar Animal: A chantagem de exploradores de animais provavelmente surtirá efeito e o governo vai colocar algum prazo para o fim da criação e abate de cães, permitindo que a maioria desses dois milhões de animais seja abatida.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.