Coronavírus e seca provocam ‘guerra de macacos’ na Tailândia

Coronavírus e seca provocam ‘guerra de macacos’ na Tailândia
Macacos entraram em confronto em Lopburi, na Tailândia Reprodução / Twitter

A mistura explosiva de seca, forte calor e a epidemia de coronavírus provocou uma guerra campal na Tailândia entre três clãs de macacos. Na quarta-feira (11), centenas de animais tomaram as ruas próximas ao santuário de Prang Sam Yot, na cidade de Lopburi, numa briga por comida em que sobraram pataços e mordidas.

Os macacos que habitam as ruínas do santuário são a principal atração turística do local, ao lado da contemplação da arquitetura típica da região. Porém, sem alimento, eles ficaram irritados e os três clãs que habitam as áreas próximas partiram para a guerra.

Segundo o portal de notícias tailandês Thairath, os milhares de macacos da região do santuário de Prang Sam Yot estão divididos em um grupo com 2.000 animais nas ruínas do castelo, outros mil no bairro próximo de Karakarn e mais um clã de 2 mil macacos que vivem no mercado de rua.

Os animais estariam famintos, já que a seca afeta a oferta de comida nas matas nos arredores do santuário. O calor extremo também teria feito os macacos ficarem ainda mais irritados.

Ao mesmo tempo, houve uma diminuição do número de turistas visitando os templos de Prang Sam Yot por conta da pandemia de coronavírus, o que faz com que os macacos deixem de ser alimentados com as frutas e verduras levadas pelos visitantes.

De acordo com relatos de testemunhas coletados pela imprensa tailandesa, apesar de vários macacos terem ficado feridos, não houve mortes.

Nesta quinta-feira, a mídia local relata que a situação está mais calma, já que voluntários levaram alguns quilos de comida para distribuir entre os diferentes clãs de macacos.

Fonte: R7

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.