Coronavírus: homem atua no resgate de gatos e cachorros abandonados em cidade fantasma

Coronavírus: homem atua no resgate de gatos e cachorros abandonados em cidade fantasma

Uma das mais populosas cidades chinesas, Wuhan é o epicentro do surto de Coronavírus no país, e segue em quarentena desde 23 de janeiro – quando foi recomendado que as pessoas permanecessem dentro de casa. O outro lado de tal situação calamitosa são as pessoas que não estavam na cidade e, com isso, não podem retornar para casa e para seus animais de estimação. Wuhan desde então se tornou uma cidade fantasma, e nela estima-se que 30 mil animais estejam abandonados sem seus tutores.

As ruas vazias de Wuhan.

Essa foi a maneira que o jovem Ye Jialin, morador de Wuhan, encontrou para ajudar a cidade a combater a epidemia, não em seu efeito fisiológico, mas sim emocional: cuidar, alimentar e resgatar os animais abandonados nas casas das pessoas não puderam voltar.

Trata-se de um trabalho voluntário, para o qual os tutores enviam informações como senhas e chaves escondidas, ou simplesmente autorizam que Jialin arrombe as portas para salvar os bichanos – tanto gatos, mais populares na cidade, quanto cachorros.

Muitas vezes para ter sua entrada permitida nos edifícios, é preciso que um funcionário meça a temperatura do jovem voluntário, a fim de confirmar que ele não está febril e potencialmente carregando o vírus. Ye Jialin diz que não tem medo de seu trabalho – seu único medo é de encontrar os animais já mortos. Desde que começou já resgatou cerca de 30 animais.

Até 14 de fevereiro, 1016 pessoas morreram e mais de 30 mil estavam infectadas na cidade. Na China o número de mortos já passa de 2.445, com 77 mil infectados. No último dia 25, o Ministério da Saúde confirmou primeiro caso de Coronavírus no Brasil, vindo da Itália, para São Paulo.

Fotos: Divulgação / Reprodução

Por Vitor Paiva

Fonte: Hypeness

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.