Corredor Cultural de Barra Mansa (RJ) recebe evento de adoção da Apa

O Corredor Cultural de Barra Mansa sempre acostumado a receber diversas atrações culturais e musicais, serviu como palco para um público bem diferente na manhã de hoje (221). A Apa (Associação Protetora Animal) de Barra Mansa realizou um evento de adoção de cães e gatos de médio e grande porte. O evento contou com o apoio da prefeitura de Barra Mansa através da Fundação de Cultura. 

A presidente da Apa, Cecília Amaral, estava presente no evento e entre um carinho e outro em um cão, ela recebia as pessoas que foram até o evento com o intuito de ter um novo animal de estimação. No entanto, Cecília reconhecia que por se tratar de animais de médio e grande porte, a dificuldade para que eles fossem adotados é maior.

– É mais difícil, pois as pessoas preferem os filhotinhos, pois pensam que dessa maneira vão conseguir adestrar eles melhor e também por achar que um animal já grande vai trazer muitas dificuldades para criar – disse.
Entretanto, para a presidente esse pensamento é totalmente errado. Cecília destaca que ao contrário do que muitos pensam, adotar um animal de médio e grande porto tem é muito mais vantagem.

– Não vai chorar durante a noite, não vai ter trabalho para ensinar as coisas, pois ele já sabe o que fazer. A audição é mais apurada e também se adaptam mais fácil. Enfim, as vantagens são inúmeras, então as pessoas erradamente pensam ao contrário – explicou.

Cecília ainda contou que todos os animais da Apa que estavam participando do evento da adoção, foram resgatados da rua e levados para o abrigo, que atualmente conta com 148 animais. Em razão dessa superlotação, todos os sábado, das 9h às 13h, a Apa realiza evento de adoção no jardim da preguiça.

Para poder adotar um animal é preciso ter mais de 18 anos e levar RG, CPF e comprovante de residência. Ainda é necessário responder a um questionário que é elaborado pelos voluntários da APA.

– São todos cães que foram resgatados da rua e foram vacinados vermifugados. Eles estão carentes e precisando de um lar. Então por isso, tem muito amor para dar e estão só esperando alguém para receber – enfatizou.

O empresário Anderson Amorim saiu de Volta Redonda em busca de uma nova companhia para o seu lar. Segundo ele, a vontade de adotar um cão cresceu após um problema que aconteceu na sua casa.

– Assaltaram a minha casa recentemente e como eu e minha mulher ficamos muito fora, pensamos em adotar um cão já grande. Também não foi só por isso. Também gosto muito de animal e também tiro mais um cachorro da rua. Tem que dar carinho e amor com certeza – falou Anderson.

Fonte: Diário do Vale

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.