Corregedoria da PM de AL vai apurar atitude de militar que atirou em animal

Corregedoria da PM de AL vai apurar atitude de militar que atirou em animal

Um oficial será designado para colher as informações sobre o caso. Cachorro foi atingido por um tiro na mandíbula e está internado em clínica.

Por Michelle Farias e Carolina Sanches

AL maceio tiro

A Corregedoria da Polícia Militar (PM) deve abrir, ainda nesta segunda-feira (19), um procedimento administrativo para investigar a atitude de um militar, que prefere não ser identificado, de atirar na cabeça de um cachorro, na noite da última sexta-feira (16). De acordo com o tenente-coronel Pantaleão, o oficial designado para a investigação tem 15 dias para colher todas as informações e repassá-las à Corregedoria.

“Amanhã deve ser publicada uma portaria com o nome do oficial. Já teve casos de outros militares envolvidos em maus-tratos contra animais, mas não tinha nenhum caso recente. Vamos apurar as circunstâncias, mas não podemos adiantar nada ainda”, afirma o corregedor.

A denúncia de maus-tratos partiu de tutora do animal, a manicure Lídia Pereira. Ela diz que o seu vizinho é policial militar e atirou contra o seu cachorro na que moram, no bairro da Jatiúca. Segundo ela, o tiro foi deflagrado enquanto o cachorro baleado brigava com o animal do policial. “Ninguém conseguia apartar. Foi um desespero. Ele (o militar) puxava de um lado e eu de outro. Em um momento o filho dele ficou gritando para ele atirar no meu cachorro e foi o que ele fez. Sentou no meu cachorro e atirou em sua direção”, fala.

Ainda segundo a manicure, ao ser atingido, o cachorro dela fugiu do local. “Ele (o militar) pegou um saco e saiu pela rua falando que ia procurar ele para matar. Fiquei desesperada. Depois vi que meu vizinho voltou sem o cachorro e continuei as buscas para encontrá-lo”, conta.

Lídia disse que só ficou sabendo que o animal foi encontrado e estava em uma clínica na madrugada de sábado (17). “Me falaram que ele estava sendo atendido e que teria que fazer uma cirurgia. Só no sábado à tarde eu consegui descobrir onde era essa clínica. Um parente meu procurou meu vizinho para pedir que ele arcasse com as despesas e ele se negou”, diz.

O animal, que tem três anos e é uma mistura das raças pincher com pitbull. Ele passou por uma cirurgia e teve a mandíbula retirada.

À reportagem do G1 o militar confessou que atirou contra o animal da vizinha, mas disse que não tinha intenção de atingi-lo. Disse ainda que atirou apenas para apartar a briga. “O cachorro dela estava com os dentes no pescoço do meu cachorro. Tentamos separar, mas ninguém conseguia. Agi em última instância e infelizmente o tiro pegou no cachorro. Atirei para o chão em um local que considerei seguro, mas o cachorro virou a cabeça e acabou sendo atingido”, conta.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.