Corvos se baseiam em experiências passadas para tomar decisões, segundo pesquisadores

Corvos se baseiam em experiências passadas para tomar decisões, segundo pesquisadores
Foto: Getty Images

Conhecidos como membros altamente inteligentes da família dos corvídeos, o corvo-americano tem chamado a atenção de pesquisadores por suas habilidades em usar inferência estatística para tomar decisões. Nesse caso, o recurso ocorre quando a experiência anterior de escolher algo influencia nas probabilidades de você fazer essa escolha novamente.

Logo, esses corvos conseguem reconhecer quando erraram ou acertaram no passado para aumentar as taxas de sucesso de uma nova decisão no futuro. Esse tipo de habilidade pode ser vista nos seres humanos quando escolhemos um restaurante, por exemplo, com base na probabilidade de estar lotado ou não. Entenda mais sobre o assunto!

Em um estudo realizado na Universidade de Tübingen, na Alemanha, dois corvos-americanos foram treinados para bicar imagens em uma tela sensível ao toque. Cada movimento correto resultaria em uma recompensa para o animal. Tendo esse mecanismo funcionando, o estudo passou a apresentar seus primeiros resultados.

Os dois animais foram treinados para associar nove imagens diferentes com probabilidades de recompensa de 10, 20, 30 e até 90%. “Introduzimos esse conceito de probabilidades para que essas aves entendessem que nem toda bicada em uma imagem que aparece na tela resultará obrigatoriamente em uma recompensa”, explicou a Dra. Melissa Johnston, autora principal da pesquisa, em entrevista à Ars Technica.

Segundo Johnston, é por conta desse tipo de recurso que os corvos aprenderam as combinações únicas entre cada imagem na tela e a probabilidade delas fornecerem algum tipo de recompensa. Após um curto período, as aves já tinham uma clara noção a respeito de quais fotos estavam mais propensas a distribuírem prêmios.

Inteligência dos corvos

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Para obter os dados sobre o estudo, os pesquisadores decidiram realizar um teste definitivo com a dupla de corvos após 10 dias de treinamento. Os dados apontam que ambas as aves foram consistentemente capazes de escolher a imagem relacionada à maior probabilidade de recompensa.

Na visão dos pesquisadores, isso mostra como os corvos têm uma incrível capacidade de usar inferência estatística para obter melhores resultados. Além disso, os cientistas constataram que os corvos até mesmo conseguiram lembrar de quais imagens estavam associadas a maiores recompensas mesmo depois de um mês sem treinamento.

“Eles encarregados de aprender quantidades bastante abstratas, associá-las a símbolos abstratos e, em seguida, aplicar essa combinação de informações de forma a maximizar a recompensa”, destacou Johnston. Segundo ela, os resultados demonstram o grau de inteligência elevado apresentado por essas aves durante os experimentos.

Ambos os corvos escolheram a recompensa mais alta da rodada em 76% das vezes. No passado, outros animais que demonstraram ter uma capacidade semelhante aos corvos em termos de inferência estatística foram as girafas. Porém, quando o assunto são pássaros em modo geral, os corvos parecem apresentar um grau de complexidade na avaliação de cenários maior do que qualquer um dos seus familiares mais próximos.

Por Pedro Freitas

Fonte: Mega Curioso

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.