Costa brasileira tem recorde de baleias encalhadas e mortas

Costa brasileira tem recorde de baleias encalhadas e mortas

O número de mortes de baleias jubarte encalhadas na costa brasileira é recorde neste ano, com 23 animais encontrados sem vida só no primeiro semestre. A marca supera –e muito– a média anual de casos desde 2002, quando começou o monitoramento do Instituto Baleia Jubarte. A situação tem intrigado estudiosos da espécie.

As explicações, por sua vez, não são unanimidade. As hipóteses passam pelas mudanças climáticas, pelo fenômeno El Niño, pela ação humana com as redes de pesca e até pelo fato de a população da espécie ter aumentado nos últimos anos.

No país, o maior índice de mortes de jubartes, com seis casos, havia ocorrido em 2011. Quase quatro vezes menos que no primeiro semestre.

LITORAL PAULISTA

O mar do litoral norte de São Paulo está para baleias, principalmente por causa dos dias mais frios e da presença abundante de alimento, como os cardumes de tainhas.
De acordo com números compilados pelo instituto Argonauta, de Ubatuba, neste ano ocorreram 13 observações do animal. Seis foram encontrados mortos nas praias do Estado.

O outro fator é climático. A presença do El Niño, que muda o padrão do tempo e, neste ano, fez os dias frios voltarem ao litoral paulista, têm facilitado a vida dos animais.

A espécia mais vista, segundo os registros dos técnicos do instituto, é a jubarte. Barcos do grupo saem quatro vezes por semana para mapear o litoral. Os encontros têm sido mais fáceis entre Ilhabela e São Sebastião.

ENCONTRO

Na recente edição da Semana de Vela de Ilhabela, no início de julho, alguns competidores que estavam no mar também foram brindados com a exibição de uma baleia jubarte. Que chegou a saltar ao lado de uma embarcação.

O professor Mario Rollo Jr., pesquisador da Unesp (Universidade Estadual Paulista), em São Vicente, relativiza o aumento da quantidade de baleias. “Do ponto de vista estatístico, o número de registros de baleias é diretamente proporcional ao número de frequentadores de regiões litorâneas”, diz o cientista.

De acordo com ele, tendo em vista o boom imobiliário das últimas décadas no litoral norte, não é surpresa que os registros cresçam.

Para o pesquisador da Unesp, esforços de monitoramento sistemático de observações de baleia no litoral de São Paulo precisam ser muito mais frequentes.

Leia reportagem completa em http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/07/1792533-costa-brasileira-tem-recorde-de-baleias-encalhadas-e-mortas.shtml

Fonte: UNESP

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.