Covardia em Itabirito (MG): cão Pirata leva pancada na cabeça e pode perder um olho

Covardia em Itabirito (MG): cão Pirata leva pancada na cabeça e pode perder um olho
Pirata quando ele estava bem - Foto: Projeto Acolher - Divulgação

O que faz um ser humano agredir um cão extremamente manso? Um cachorro do tipo que quando é chamado, mostra a barriguinha para ganhar carinho.

Pois é! Existem pessoas assim. Prova disso, é que Pirata, nome de um cão comunitário que vive no Centro itabiritense, levou uma pancada na cabeça. Pancada essa que atingiu um dos olhos do animal.

Não se sabe ainda se Pirata vai recuperar a visão do olho ferido.

Levado pelo Projeto Acolher (ONG que cuida de animais), ele está internado na Clínica Saúde Animal, do bairro Praia.

Após a radiografia, foi constatado que a pancada não quebrou ossos – mas lesionou os chamados tecidos moles (além de ter atingido um dos olhos, como já mencionado).

Como ele foi encontrado

Pirata foi visto, sentindo muita dor, inclusive tremendo, por uma trabalhadora de uma loja, por volta das 17h de ontem (11/9). Essa pessoa buscou ajuda e acionou uma voluntária da causa animal.

Integrante do Acolher, a voluntária encontrou o animalzinho dentro do Banco Bradesco e o levou para a clínica.

Na sequência, ela fez uma vaquinha. Com isso, as despesas na Saúde Animal serão pagas. Contudo, “o que precisamos agora é de alguém para adotá-lo, de forma responsável, quando ele sair da internação. É um cão de médio para grande porte e é muito manso”, disse a voluntária.

Outro pedido é para lojista ou qualquer pessoa que tenha imagens que mostram a agressão ao cãozinho: procure a ONG para que medidas legais sejam tomadas.

O contato do Projeto Acolher é (31) 9 7113-3730 (fale com Bruna).

Semelhança

Pirata é bem parecido com o cão que corre atrás de luzes em grandes shows de Itabirito (como de Jorge & Mateus e Elba Ramalho), mas não é o mesmo animal.

Esse cãozinho das luzes ainda não tem nome e é também um animal comunitário.

Por Romeu Arcanjo

Fonte: Radar Geral

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.