Criação comercial de animais silvestres

Por Leonardo Maciel  

Infelizmente vem crescendo a criação de animais silvestres com fins de comercialização de suas carnes. A carne de caça, como é chamada, torna-se uma iguaria em restaurantes e locais da moda. Espécies como capivara, paca, cutia, jacaré e cateto são o alvo.

Tenta-se justificar alegando que a carne oferecida de criatórios evitaria a caça e destruição do meio ambiente , o que não é verdade, pois quem ainda insiste em chamar a caça de esporte ainda o faz por prazer, e continuará fazendo.

Outra tentativa de justificativa é que eles seriam mortos de maneira humanitária, como se alguém se aproximasse de um animal e anunciasse : com licença, vou tirar sua vida de maneira respeitosa, sua carne será inspecionada e você será mais uma maneira de saciar a fome insaciável da nossa espécie.

Para os animais “domésticos” o cativeiro já é uma tortura, apesar destas espécies, por centenas de anos de manipulação genética conseguirem sobreviver à prisão. Os animais silvestres por outro lado, devido à sua condição natural de vida livre, encontram no cativeiro um sofrimento inimaginável. Há quem defenda o “bem estar” destes animais em cativeiro, como se uma vida sem liberdade e sem comportamento natural fosse bem vivida. O animal silvestre normalmente foge da presença humana, não reconhece a barreira de uma grade e se joga contra ela, desespera-se com a obrigatoriedade de viver com muitos outros quando gostaria de viver só e por isto se desespera em violência contra os seus. Midas ao inverso, todas as espécies que tocamos e manipulamos, escravizamos.

O único setor da economia nacional que obteve crescimento neste começo de ano foi o agronegócio, com destaque para a carne bovina que é largamente exportada. Tentamos expandir nosso império escravocrata reproduzindo e mantendo em cativeiro seres de essência livre, para torná-los caricaturas tristes que valem apenas o peso em carne e atestam nossa incompetência em autocrítica.

Neste item, a medicina veterinária e a medicina humana se complementam e retroalimentam, pois uma produz o alimento doente que vai entupir as artérias e sustentar o trabalho da outra. Respeito à vida mesmo…

O que fazer? Invadir um criatório e libertar os animais selvagens não daria certo, então nos resta informar, conversar com as pessoas de maneira calma, lúcida, firme, longe de qualquer violência verbal, com todo pacifismo e amor para que haja mais pessoas despertas para uma cultura de paz, e por falar em paz, o que os animais silvestres querem mesmo é que os deixemos em paz… 


{article 957}{text}{/article}

Olhar Animal – www.olharanimal.org


 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.