Crocodilo em vias de extinção morto a tiro após morder cuidadora do Zoo

Crocodilo em vias de extinção morto a tiro após morder cuidadora do Zoo

Um crocodilo de uma espécie em vias de extinção foi abatido a tiro depois de ter mordido o braço da cuidadora num Jardim Zoológico de Zurique, na Suíça.

O Jardim Zoológico de Zurique autorizou o disparo que matou um crocodilo após este morder o braço da cuidadora e não parecer ter intenções de o largar. Segundo o órgão helvético, Swissinfo, a cuidadora do animal teve de ser hospitalizada e submetida a uma intervenção cirúrgica.

O animal tratava-se de um crocodilo-filipino, que está em vias de extinção, apenas restando cerca de 250 espécimes selvagens. Esta espécie de crocodilo é relativamente pequena, medindo apenas cerca de 1,5 metros e pesando à volta de 15 quilos.

Tudo aconteceu na segunda-feira de noite, quando a cuidadora separou o macho enquanto limpava o recinto. A funcionária do Zoo acabou por ser mordida pelo crocodilo e ficou presa na sua boca durante vários minutos. Não se sabe ao certo porque é que o animal a atacou.

O diretor do Jardim Zoológico, Alex Rübel, disse à Keystone News Agency que esta foi a primeira vez que teve de mandar abater um animal em mais de 30 anos de carreira. Resta ainda uma fêmea do crocodilo-filipino no Zoo suíço.

Os crocodilos das Filipinas estão em vias de extinção não só pela caça de que são alvos mas também pela destruição de habitat. É considerada, de acordo com a Newsweek, uma das espécies mais ameaçadas de todo o mundo, restando menos de 100 espécimes adultos.

Fonte: Zap.aeiou


Nota do Olhar Animal: Mais um animal morto por vingança. E por agir em desacordo com o que se espera de um animal criado para entreter humanos, mesmo que isso violente sua natureza. Mais um episódio que joga por terra o argumento dos defensores de zoológicos de que nestas instituições os animais são criados para “preservar a espécie”. Quando muito a reprodução visa a reposição de animais no próprio ou em outros zoológicos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.