Japao DavidBowie heroi H

David Bowie é um herói para os ativistas que lutam contra o massacre de golfinhos no Japão

A estrela do rock garantiu que seu hino ‘Heroes’ fosse licenciado para o documentário ‘The Cove’ por uma ninharia para que ele possa ajudar a acabar com a matança de golfinhos e baleias.

Por David Kirby / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Japao DavidBowie heroi

David Bowie está sendo lembrado como um gênio musical, um artista talentoso, e um ícone da moda. Mas para os ativistas das baleias e golfinhos, ele não foi nada menos do que um herói.

Sua assustadoramente tocante canção “Heroes”, o título do seu álbum de 1977, se tornou um grito de guerra para as pessoas ao redor do mundo que lutam para acabar com a matança e captura de baleias e golfinhos na baía de Taiji, Japão.

A música, que inclui na letra “Eu, eu queria poder nadar / Como os golfinhos, como os golfinhos podem nadar”, acompanha os créditos finais do documentário The Cove de 2009, que trouxe atenção mundial ao massacre anual no Taiji.

A maioria das pessoas não sabe que Bowie, um quieto mas generoso apoiador das causas de bem-estar animal que morreu no último dia 10 aos 69 anos, pessoalmente interferiu para garantir que a música pudesse ser licenciada por uma taxa mínima.

O diretor do documentário Louie Psihoyos disse que o produtor do filme, Fisher Stevens, conhecia a esposa de Bowie, Iman. “Foi assim que nós chegamos até ele”, ele disse. “Se nós tivéssemos que passar pelos canais das companhias de gravação, isso jamais teria acontecido.

Japao DavidBowie heroi2

De acordo com Psihoyos, o custo de licenciar uma música de rock para filmes comerciais começa em cerca de $25.000 e pode chegar até seis dígitos. Após saber sobre o filme, Bowie insistiu que a RCA Records colocasse “Heroes” disponível por $3.000.

“Eles tiverem que cobrar alguma coisa para que eles não tivessem dando de graça”, Psihoyos disse. “Quase nem cobriu o custo do tempo que a gravadora teve para escrever o contrato”.

Um funcionário de licenças da Sony Music Entertainment, que é proprietária da RCA Records, confirmou que a taxa foi reduzida mas disse que o valor pago “é confidencial”.

A música, supostamente sobre um casal da Alemanha Oriental e Alemanha Ocidental que se conheceram no Muro de Berlim – “Eu, eu posso me lembrar (eu me lembro) / Ficar de pé, ao lado do muro (ao lado do muro) / E as armas, atiradas sobre nossas cabeças (sobre nossas cabeças)” se tornou um hino poderoso pelo movimento contra a caça de baleias.

“Eu não sabia na época sobre seu apoio pelos direitos dos animais”, Psihoyos disse sobre Bowie. “Mas acontece que ele tinha um coração enorme”.

Ric O’Barry, estrela do The Cove e fundador do Ric O’Barry’s Dolphin Project, disse que durante os créditos finais do filme, “as pessoas pulavam de seus lugares e queriam fazer algo. Aquela música enche as pessoas de energia e ajuda a manter o assunto vivo. Algumas vezes eu conheci pessoas, e quando elas me reconheceram, elas começaram a cantar ‘Heroes’”.

“Não há nada melhor para arrebatar uma comunidade sobre um movimento do que um filme, e com cada movimento social, você sempre precisa de músicas”, Psihoyos disse. “Esta era uma canção para aquele momento”.

E o momento ainda vive. No último sábado, em Londres, milhares de pessoas marcharam para a Embaixada do Japão para protestar contra a caça de golfinhos, que vai de setembro até março.

Bowie e seu sucesso apareceram proeminentemente durante o dia.

“Nós tornamos isto um enorme tributo a Bowie”, disse a organizadora do protesto Nicole Venter, fundadora do MEOKO, uma plataforma de música eletrônica.

Venter disse que alguns manifestantes usaram máscaras do Bowie e levaram cartazes com sua imagem. Enquanto isso, um carro antigo liderou a marcha, soltando sons de golfinhos sendo mortos na baía – e, é claro, “Heroes”.

“Nós tocamos essa música diversas vezes, e as pessoas cantaram juntas”, Venter disse. “Mesmo assim, não foi um circo. Estamos lá para os golfinhos, mas também queríamos fazer um tributo a Bowie”.

O cantor, que mais tarde fez uma tatuagem de golfinho, estava lutando para salvar golfinhos e baleias desde 1972, quando Bowie e Spiders From Mars foram as atrações principais do Concerto Beneficente “Terra, Salve as Baleias”, em London.

O’Barry não foi ao protesto. Ele partiu para Taiji, onde a polícia o prendeu em agosto passado. No último dia 12, seu Dolphin Project disse que 35 a 40 golfinhos foram mortos na baía.

“Eu acho que London é uma das chaves para acabar com o massacre”, O’Barry disse.

“’Heroes’ é nossa música temática, e ela foi tocada bem alto”, ele acrescentou. “O governo japonês terá muita dificuldade ao lidar com aquele pesadelo de Relações Públicas. Obrigado, David Bowie”.

Fonte: Takepart

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.