De cão a periquito: animais salvos da cheia dão cara de lar a abrigo em Aquidauana, MS

De cão a periquito: animais salvos da cheia dão cara de lar a abrigo em Aquidauana, MS
Angelita levou a gata Nina e o filhote Sheik para abrigo. (Foto: Saul Schramm)

Salvar a vida, os animais de estimação e depois os pertences. A ordem de prioridade para quem enfrentou a cheia do rio Aquidauana, que ultrapassou dez metros ontem (dia 21), é visível no salão paroquial: são 21 famílias desabrigadas, muitos animais domésticos e poucos móveis e eletrônicos.

Expulsos de casa pelas águas, os desalojados se sentem mais próximos do lar em companhia dos gatos, cachorros e periquitos.

A auxiliar de serviços gerais Angelita Pedro da Silva Souza, 44 anos, conta que assim que o rio invadiu sua casa pensou em socorrer o cachorro Sheik, ainda filhote, e a gata Nina. “Mas quando passei os olhos, vi que minha filha de 12 anos já tinha recolhido”, diz. Angelita conseguiu salvar poucas peças de vestuário, guarda-roupas e um aparelho de som.

Num dos cantos do salão, a habitação provisória Florípedes Justino Silveira, 62 anos, tem as gaiolas com os periquitos. “Não pensei duas vezes, quando vi a água entrar, passei a mão na gaiola. Eles são da família”, diz. Eles não tem nome, mas são velhos conhecidos. “Caíram de uma árvore perto de casa, alimentei. Estão na família há anos” , diz.

Florípedes colocou gaiola no lar provisório. (Foto: Saul Schramm)

O jardineiro Mauro Estáquio, 49 anos, salvou das águas o vira-lata Sultão, a égua companheira de trabalho na charrete e roupas. Enquanto espera a cheia passar, ele e Sultão, a quem define como família, ficam no salão paroquial. A égua foi levada para um terreno.

A prefeitura de Aquidauana enviou equipes do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) e Vigilância Sanitária para verificar os animais. A medida é para evitar transmissão de doenças. As 21 famílias desalojadas totalizam 66 pessoas.

Na última terça-feira, Aquidauana, a 135 km de Campo Grande, registrou o maior volume de chuva do País. O rio transbordou e invadiu Anastácio e Aquidauana, que são cidades vizinhas.

Cachorro tem auxílio de moradores durante cheia.(Foto: André Bittar)

Por Aline dos Santos e Guilherme Henri 

Fonte: Campo Grande News 


Nota do Olhar Animal: Felizmente tem que se importa com os animais em tragédias como esta. Ressalva à tutora do periquito, que o salvou da enchente, mas o condena a prisão perpétua numa gaiola.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.