De estudantes a matadores: como as escolas de touradas normalizam o derramamento de sangue

De estudantes a matadores: como as escolas de touradas normalizam o derramamento de sangue
Jo-Anne McArthur / We Animals Media

Ninguém nasce com desejo próprio de abater violentamente touros indefesos – então, como alguém se torna um matador? O derramamento de sangue nas touradas – em que os humanos atormentam e mutilam touros diante de multidões barulhentas e zombeteiras – pode ser rastreado até as instituições que geram crueldade: as escolas de touradas.

O que é uma escola de touradas?

Nas escolas de touradas, o especismo – ou a ideia de que os humanos são superiores a outras espécies – está incorporado no currículo. Eles dessensibilizam os alunos impressionáveis ao sofrimento de touros e outros animais. Além de aprender a história das touradas, os alunos dessas instituições são forçados a lutar contra os jovens touros para “praticar”. Muitas escolas de touradas são administradas por ex-matadores que desejam que as gerações mais jovens continuem sua tradição sangrenta.

Doutrinando Jovens

Em muitas escolas de touradas no México e na Espanha, os alunos devem participar de um toreo de salón, no qual encenam na prática uma tourada com seus colegas de classe. Nesses treinamentos, os alunos se vestem de touros e atacam os “matadores”, que usam capas e outros adereços para lutar contra os “touros”.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Emiliano Gamero J (@emilianogameroj)

“Toureiros infantis” são comuns no México, onde não há restrições de idade para participar de touradas. Muitas escolas começam a treinar crianças a partir dos 6 anos de idade para se tornarem combatentes.

As escolas de touradas no México são tipicamente divididas em dois grupos etários becerristas (crianças de até 12 anos) e novilleros (crianças de 13 a 18 anos de idade). Como parte de seu treinamento, becerristas são forçados a lutar contra bezerros vulneráveis em eventos chamados berrecadas. Na natureza, os bezerros são gentis e formam laços extremamente estreitos com suas mães protetoras – mas nas escolas de touradas, esses animais sensíveis são rotineiramente provocados, abusados e mortos em berrecadas quando têm menos de 2 anos de idade. Então, quando se tornam novilleros, os alunos são forçados a lutar contra touros de 3 e 4 anos de idade.

A “educação” nas escolas de touradas serve apenas a um propósito: produzir mais matadores para perpetuar os mortíferos espetáculos.

O que acontece em uma tourada?

Todos os anos, os humanos torturam e abatem milhares de touros em touradas – um termo impreciso para eventos nos quais os touros são estrategicamente preparados para perder. Os touros usados nesses horríveis banhos de sangue sofrem mortes dolorosas e prolongadas.

Em uma tourada típica, um touro é forçado a entrar em um ringue, onde uma série de lutadores o esfaqueiam repetidamente. Quando está severamente enfraquecido e desorientado pela perda de sangue, o matador entra no ringue para dar o golpe final, e fatal. Se o matador não conseguir cortar a aorta do touro, ele troca sua espada por uma adaga para tentar cortar a medula espinhal do animal. Muitos touros permanecem conscientes, mas paralisados enquanto são arrastados para fora da arena.

TeachKind (Ensino de Bondade, em tradução livre) trabalha para facilitar a educação amiga dos animais

Em contraste com as escolas de touradas, o programa TeachKind da PETA promove os direitos dos animais e a compaixão nas salas de aula. Ao trabalhar com professores e funcionários da escola nos EUA, ajudamos a promover a empatia por todos os nossos companheiros animais.

APOIE O PROGRAMA TEACHKIND DA PETA

Ajude a Acabar com as Touradas

Você sabia que os touros têm excelentes memórias de longo prazo e formam amizades com outros membros de seu rebanho na natureza? Esses animais inteligentes e sensíveis querem ser deixados em paz – não mutilados e mortos para entretenimento ou em sessões de treino.

Você pode ajudar os touros agindo pelo término das touradas hoje:

AJA AGORA!

Por Elena Waldman

Fonte: Peta

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.