Defensora dos animais pede cancelamento de vaquejada em Campina Grande, PB

Uma festa de vaquejada está programada para acontecer neste fim de semana no Parque Maria da Luz, em Campina Grande.

O evento, que já é tradicional e ocorre há alguns anos do parque, pode ser cancelado por causa de uma ação judicial impetrada por uma ONG protetora dos animais.

A judicialização veio após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que tornou a prática da vaquejada ilegal no estado do Ceará.

Em entrevista na manhã desta quarta-feira (12), a engenheira ambiental e presidente da ONG, Lindali Gonzaga, explicou os motivos de ser contra a vaquejada.

– Essa decisão é federal. A partir da promulgação da decisão, a prática da vaquejada é inconstitucional.  Finalmente foi entendido que há maus-tratos com os animais. Aqui no parque Maria da Luz estávamos já há algum tempo tentando resolver essas questões dos maus-tratos, por isso entramos com a ação.  Nós não somos contra o evento, os shows, a questão econômica.  Somos contra os maus-tratos – frisou.

As declarações repercutiram na Rádio Caturité AM.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.