Defensores dos animais identificam crescente negócio de aluguel de cavalos e éguas em Recife, PE

Defensores dos animais identificam crescente negócio de aluguel de cavalos e éguas em Recife, PE

Defensores flagraram recentemente, nas imediações da Ceasa, uma égua com o joelho estourado.

Por Jailson da Paz

Por trás dos maus-tratos, defensores dos animais identificam um crescente negócio de aluguel de cavalos e éguas no Recife. Esses bichos são empregados principalmente no transporte de materiais de construção. Ora integram o “pacote completo”, que inclui carroça e guia, ora são entregues temporariamente sozinhos aos contratantes.

Na pressa de aumentar a renda, os tutores cometem crueldades. Defensores flagraram recentemente, nas imediações da Ceasa, uma égua com o joelho estourado. O animal, aparentamente medicado, carregava um peso que abria mais o ferimento do joelho.

Terminadas as tarefas, bichos como a égua são deixados em áreas públicas. Isso porque os seus tutores, em geral pessoas de baixa renda, fazem dos capinzais dos canteiros das rodovias, das praças e das margens de rios e córregos extensão de seeus negócios . Para eles, a sobrevivência é garantida com o sacrifício de um dos elos mais fracos da roda da economia, a dos animais. E o sacrifício se dá nas barbas do poder público. Perto da Ceasa ou metros distantes dali, nas redondezas da Mata do Uchoa e em pequenos espaços, a céu aberto ou confinados, do Barro, do Totó e de Jardim São Paulo.

Fonte: Diário de Pernambuco

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.