Denunciam envenenamento em massa de cães em Bogotá, Colômbia

Denunciam envenenamento em massa de cães em Bogotá, Colômbia
Foto: Facebook Club Dogbox

Os tutores de animais do bairro Cedritos denunciaram que alguém teria deixado comida envenenada nos parques do distrito, prejudicando gravemente a saúde de cães e gatos, tanto os domiciliados como os de rua.

Através das redes sociais, os tutores de vários pets afetados marcaram uma manifestação pacífica para protestar pelos direitos dos animais e exigindo das autoridades que sejam encontrados os culpados, evitando assim que outros animais sofram com estes ataques.

A página Club Dogbox no Facebook informou que os lugares onde estão ocorrendo esses envenenamentos são: Parque Belmira, Parque de Las Rampas e o Parque de La Armada.

Até agora já são cinco os casos de cães mortos e cinco outros hospitalizados por ingestão de alimentos envenenados nos parques ao norte da capital colombiana.

Clara Sandoval, gerente de Proteção e Bem-estar Animal, disse ao site Publimetro que “já se deu início a um processo deste caso no âmbito jurídico para determinar o que está ocorrendo. Já foi feita uma vistoria e agora estamos com o processo de monitoramento”.

Sandoval também observou que a autoridade judicial tem que estar à frente deste caso, pois se trata de crime de maus-tratos; além disso, ela pediu que a promotoria comece a agir para apontar os culpados.

Juan Carlos Solano, morador do bairro e tutor de um pet, disse que “estas pessoas sem escrúpulos estão atirando pedaços de presunto e frango com vidro moído e raticida para que sejam consumidos pelos animais”.

Solano acrescentou que “isso está acontecendo nos parques La Armada, ao lado do centro comercial, na rua 146 com 19, e no parque de Las Rampas, no Belmira. São diferentes pontos na cidade e agora já não podemos sair tranquilos para passear com nossos cães, nos arriscamos por culpa destes elementos”.

De acordo com o novo Código da Polícia, a violência contra animais de estimação é punida com multa, além da participação obrigatória em um programa pedagógico, mas ela também se qualifica pela promotoria como crime de maus-tratos e os responsáveis deverão ir para a prisão.

“Ontem um morador saiu com seu cão para passear e notou que ele não estava bem, o levou ao veterinário e ali retiraram um pedaço de frango com vidro moído (…) Agora nós da comunidade estamos criando uma Associação de Segurança para cuidar dos parques e encontrar estas pessoas que estão espalhando este veneno”, disse Juan Carlos Solano.

Por Andrea Acosta /  Tradução de Flavia Luchetti

Fonte: Publimetro

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.