Departamento de Bem Estar Animal investiga agressão com facão contra cão em Passo Fundo, RS

Departamento de Bem Estar Animal investiga agressão com facão contra cão em Passo Fundo, RS

O animal foi encontrado no Centro com um ferimento profundo e o departamento está atrás de informações que possam identificar o agressor.

Por Liliana Crivello e Andressa Zorzetto

Os maus-tratos aos animais acontecem diariamente, mas não são divulgados. Alguns, no entanto, acontecem pelas ruas e são vistos por alguém. Nessa semana, por exemplo, o caso de um cachorro com marcas de uma facada no dorso foi discutido nas redes sociais.

Ele foi encontrado no centro da cidade com o ferimento aberto pelo Departamento de Bem Estar Animal, da Secretaria do Meio Ambiente.

Segundo o coordenador do departamento, Rafael Colussi, no início, o chamado foi para recolher um cão que estava perdido no pátio da Biblioteca Municipal. Quando a equipe chegou no local, ele acabou fugindo e a recaptura aconteceu somente no dia seguinte.

“Não sabíamos que ele estava naquele estado. Quando ele fugiu, percorremos as ruas e procuramos informações. No outro dia, fizemos o recolhimento e vimos o golpe, que aparenta ser de facão”, relata.

O cachorro não está abandonado. Segundo Colussi, o tutor apareceu e afirmou que estava à sua procura, tendo que pagar pelo tratamento. Quanto a quem cometeu o ferimento, o coordenador salienta que o departamento possui informações, mas precisa investigar.

“Algumas pessoas da redondeza disseram que viram um homem com um facão na segunda-feira (25) à noite. Mas as denúncias têm que ter qualificação porque precisamos de provas. Quem denuncia tem que assinar uma declaração”, considera.

Casos que envolvem negligências de guarda e maus-tratos são atendidos diariamente pela Secretaria de Meio Ambiente, que é administrativa e fiscalizadora. Os tutores e quem praticou o abuso, seja deixando o animal sem água, comida, abrigo e condições de higiene ou o torturando fisicamente, estão sujeitos a penalizações.

“No caso dos tutores, fizemos a notificação e voltamos para averiguar. Se continuar, fizemos a infração. Ele pode, inclusive perder o animal. Depois, encaminhamos à promotoria, que vai cuidar do processo”, completa Colussi.

Fonte: Diário da Manhã

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.