Detido, acusado de torturar cachorro confessa o crime e diz que não gostava de cuidar de animais

Ele se apresentou à polícia nesta terça-feira após passar quatro dias foragido.

Após ter sido preso, o homem que foi flagrado torturando uma cadela no Núcleo Bandeirante (DF) confessou o crime em depoimento à polícia. Ele é funcionário do depósito de material de construção onde agrediu o cachorro e declarou que não gostava da tarefa de dar banho nos animais do local.

De acordo com a delegada da 29ª DP, Alessandra Lacerda Figueiredo, o suspeito afirmou que estava embriagado no dia em que foi flagrado em vídeo espancando o animal.

— Todas as vezes que ele ia dar banho, ele batia nos cachorros com a mão ou com a mangueira. Fazia esse tipo de serviço de forma rude, agressiva e disse que não tinha paciência. Ou seja, os maus tratos vinham acontecendo de forma constante, essa foi a conclusão a que nós chegamos e que ele realmente confessou.

José Geraldo Balbino, de 58 anos, é acusado de espancar um filhote de cachorro usando uma mangueira de borracha. O vídeo gravado por um morador do prédio ao lado mostra a agressão. Ele bate, dá socos e ainda mira a água dentro da boca do cãozinho. O animal se sente acuado, não morde o agressor, tenta fugir.

Depois que as imagens foram divulgadas com exclusividade pelo R7 DF, José Balbino não foi mais encontrado. Ele ficou sumido por quatro dias até se apresentar à polícia, acompanhado do patrão.

O dono do depósito de material de construção não teve o nome divulgado, mas também prestou depoimento na delegacia. Ele disse que sabia das agressões, mas não tinha noção da violência. Ele afirmou ainda que soube dos vídeos que denunciavam a violência, mas não deu muita importância pois iria se desfazer dos bichos por causa de uma obra no local.

De acordo com a delegada, no terreno eram criados quatro cachorros. Depois da repercussão do caso, um foi adotado, dois foram levados para uma ONG que cuida de animais e o último está internado em uma clínica veterinária.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.