DF tem 7 denúncias de maus-tratos a animais por dia; saiba como ajudar

DF tem 7 denúncias de maus-tratos a animais por dia; saiba como ajudar
Wellington com a cachorra Pirata: solidariedade no Gama. - Foto: Beatriz Artigas

Wellington Fabiano e Janaína Fernandes são voluntários do abrigo Flora e Fauna, no Gama (DF), (saiba a história do abrigo aqui) e transformaram em rotina a ajuda a animais que foram abandonados e muitas vezes que sofreram maus-tratos.  Para Wellington, o trabalho que ele faz promove um sentimento de dever cumprido ao ver aquele animal ser adotado. Esse é o caso da cadela Pirata. Ela foi encontrada em um lote junto a aproximadamente 80 animais que foram abandonados em uma invasão de terreno.

“Ela estava dentro de um buraco, onde só conseguiu ser resgatada uma semana depois, chegando ao abrigo com TVT (Tumor Venéreo Transmissível) e doença do carrapato. Mas começamos a perceber que ela tinha um comportamento diferente dos outros cachorros, ela se apegou mais a Jana, que hoje é a tutora dela. Começamos a perceber os detalhes dela, ela não fazia necessidades dentro da clínica, ela avisava e aí a gente tirava ela de lá de dentro. Ela também ia para todo lugar com a gente”, afirma Wellington.  Segundo Janaína Fernandes, atual tutora da Pirata e voluntária do abrigo desde 2012, o sentimento ao ver os animais melhorando após o resgate é gratificante “A evolução deles é o que nos conforta”.

Além do Abrigo Flora e Fauna, entre tantos outros, a Sociedade Protetora de Animais de Curitiba também faz um trabalho semelhante de solidariedade. A SPAC abriga aproximadamente 300 animais, atendendo também a comunidade, fazendo consultas sem custo. A instituição foi criada em 1972, por Enid Bernardi, e só tinha o intuito de orientar a população, era somente um escritório. Em 1975 deixou de ser um somente um escritório e passou a atender animais necessitados. A partir do ano de 1979 teve uma grande mudança, abrigar animais de rua. A SPAC não recebe nenhuma ajuda do governo do Paraná nem de Curitiba, ela sobrevive de doações.

Na SPAC, muitos animais estão em recuperação, com histórias de superação. Esse é o caso de Beethoven, o gato que chegou no espaço com problema respiratório grave e lesões de pele. Atualmente ele ainda está em tratamento, mas muito melhor de quando foi resgatado. Assim como Beethoven, muitos animais estão a procura de um lar, prontos para serem amados e bem tratados como merecem.

Beethoven em tratamento na Sociedade Protetora de Animais de Curitiba. Foto: Divulgação / SPAC

Mais um exemplo de proteção aos animais é o que acontece em terminais de ônibus em Curitiba, no Paraná. Uma moradora da cidade produziu camas de cachorro com pneus usados e colocou nos terminais para abrigar os animais que ali vivem.

Como denunciar:

O resgate e trabalhos feitos por essas pessoas e essas instituições é árduo, pois o abandono e maus-tratos de animais ainda é uma realidade no nosso país. A Polícia Ambiental no DF recebe em média 7 denúncias por dia.

Para denunciar você pode ligar para a Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente (DEMA) no número 197, ou pelo WhatsApp (61) 9 8626-1197. Você também pode ligar para o Batalhão Ambiental de Polícia Militar pelo número (61) 3190-5190 ou pelo WhatsApp (61) 9 9351-5736.

Fonte: Capital do Entorno

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.