Direção da Bica nega maus-tratos à elefanta Lady, em João Pessoa, PB

Direção da Bica nega maus-tratos à elefanta Lady, em João Pessoa, PB

Após laudo afirmar que a elefanta Lady, que mora no Parque Arruda Câmara, a Bica, está em sofrimento e corre risco de morte, a direção do parque declarou não ter recebido o laudo e negou os maus-tratos.

 O diretor Jair Azevedo, em entrevista à TV Cabo Branco, afirmou que não pode opinar sobre o laudo por não ter chegado até a gestão do parque. Ainda assim, declarou não conseguir entender o que foi “jogado em cima em detrimento deste animal”.

Jair ressaltou que Lady chegou ao parque debilitada e evidenciou as condições do recinto da elefanta, que possui 2.500m², água em abundância e possui um solo de terra. Além de receber, todo ano, o tratamento adequado para uma doença nas patas, pododermatite, que seria muito comum em animais que vivem em cativeiro e havia sido atestada no laudo.

Sobre o sofrimento psicológico que o animal estaria passando, o diretor questionou: “como você vai comprovar que o animal está sofrendo no aspecto psicológico?”. Ele ainda afirmou que toda a equipe da Bica sempre tratou os animais com zelo e cuidado.

A situação de Lady começou a ser investigada após a elefanta derrubar cerca e escapar de área protegida onde vive. Em seguida, o Ministério Público Federal abriu inquérito civil para verificar as condições de vida do animal.

Vídeo: Elefanta Lady corre risco de morte na Bica de João Pessoa, diz laudo.

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: Na natureza, os elefantes caminham dezenas de quilômetros por dia. Privá-los disso em atenção a interesses que não são os dos próprios elefantes não significa maltratá-los? No mais, é extremamente preocupante que o diretor do parque questione sobre a comprovação do sofrimento psicológico. Deduz-se que não entende nada sobre zoocoses (zoochosis), as patologias psíquicas dos animais em cativeiro, o que reforça mais ainda a necessidade de que a elefanta seja retirada deste parque.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.