Doação de R$ 1,00 para animais de rua: Projeto segue para prefeito vetar ou aprovar

Doação de R$ 1,00 para animais de rua: Projeto segue para prefeito vetar ou aprovar
Projeto de autoria do vereador Igor Batista Gomes que prevê a doação de R$ 1,00 descontada em conta de água irá para o prefeito Mariano Mazzuco Neto, vetar, aprovar ou sugerir mudanças

O projeto do vereador de primeiro mandato, Igor Batista Gomes (PV), que visa a doação por parte dos munícipes de Araranguá de R$ 1,00 na fatura de água, causou muita polêmica e ganhou dimensões nacionais.

A princípio se entendia que o pagamento seria compulsório. Posteriormente, em um vídeo e conversas nas redes sociais, o vereador explicou que o pagamento deverá ser feito por adesão. Aqueles que não tiverem interesse em contribuir terão 90 dias para comunicar a empresa de água de Araranguá para que o desconto não seja efetivado.

O projeto do Vereador Igor Batista Gomes que prevê a doação de R$ 1,00 em conta de água para a causa dos animais de rua ganhou repercussão nacional

Uma vez aprovado na Câmara de Vereadores o Projeto seguiu para o prefeito Mariano Mazzuco Neto (PP). Ele deverá aprovar o projeto, vetar, ou ainda sugerir mudanças no mesmo para que retorne a sua análise.

A expectativa criada em torno da decisão do prefeito é muito grande, uma vez que se o prefeito vetar, os vereadores deverão, em sua maioria, também votarem pelo veto do prefeito para que o mesmo se mantenha. Mesmo Mariano tendo o apoio da maioria dos vereadores, sempre é um risco a se correr.

Torna-se delicada a situação, porque partindo do princípio que o prefeito vete e os vereadores de sua base aliada acompanhem seu voto, estarão votando contra o projeto, mas foram eles que votaram a favor quando da apresentação do mesmo.

O prefeito Mariano Mazzuco Neto deverá após análise, vetar, aprovar ou sugerir mudanças no Projeto. Se vetar, o projeto volta a Câmara para votação dos vereadores. No caso de veto, uma saia justa, como votarão os vereadores de votaram a favor do projeto

O que pode acontecer ao invés de vetar ou aprovar, é o prefeito sugerir mudanças no projeto, como por exemplo, que a adesão seja espontânea. Assim, o cidadão não precisará expressar que não que colaborar, bastaria entrar em contato com a empresa fornecedora de água e aderir, passando então a ter descontado o valor em conta.

Fonte: Revista W3

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.