Doações de rações para ONG de animais caem 50% durante a pandemia

Doações de rações para ONG de animais caem 50% durante a pandemia
Durante o mês, são 500 quilos de ração destinados à alimentação dos animais — Foto: Arquivo Pessoal/ Sara Penteado

Seja na rua ou em abrigo, cães e gatos em situação de abandono estão sempre a espera de um lar. As Organizações sem fins lucrativos (ONGs) lidam diariamente com a tarefa de manter os cuidados com estes animais. Porém, com a pandemia, uma ONG de Jundiaí (SP) registrou 50% de queda nas doações de rações.

Durante o ano inteiro de 2019, 40 animais foram adotados, entre cães e gatos. Em 2020, de março até agosto, 39 já foram doados. Mesmo com o aumento nas adoções, a ONG ainda continua com 50 animais que precisam de um lar e que são mantidos financeiramente pela instituição. Durante o mês, são 500 quilos de ração destinados à alimentação.

“Está muito difícil. A gente está tendo que reduzir a quantidade de ração aos animais, porque não está chegando. Com a pandemia, caiu muito. Nós recebemos em torno de 200 quilos agora, o que não é suficiente para todos”, conta Sara Penteado, idealizadora da ONG.
 
Além de ajudar com doações, Sara explica que é possível contribuir também de outras formas, como o fornecimento de um quintal temporário ou carona solidária, que consiste na ajuda com transporte de animais até o local da consulta com um veterinário.

A ONG atua há quase cinco anos no Jardim Primavera, em Jundiaí (SP), e atende semanalmente cães e gatos que foram vítimas de maus-tratos e precisam de auxílio. São fornecidos alimentação adequada, medicação, vacinação e castração. “São casos muito cruéis que ocorrem na região, que nós atendemos e não recebemos ajuda”, comenta Sara.

Somente em 2019, 40 animais entre cães e gatos foram adotados pela ONG de Jundiaí — Foto: Arquivo Pessoal/ Sara Penteado

‘É uma troca de gratidão e amor’
 
Para Vanessa Rocha, 37 anos, estagiária de direito, a possibilidade de fazer da casa um lar solidário veio com a experiência da adoção . Depois de um ano que o cãozinho ‘Marrom’ chegou na família, a vontade de acolher aumentou.

“Quando o marrom veio, percebi o quanto ele cresceu e começou a se aproximar depois de pouco tempo. Foi como uma chave que ligou. Despertou uma consciência e uma visão sobre compaixão, respeito aos animais”, relata Vanessa.

Três cães e uma gata foram adotados por Vanessa, além de um cão ‘solidário’, que é quando está a espera de um tutor disposto a adotar.

“Sabemos que, infelizmente, animais em situação de abandono que são recolhidos para abrigos, acabam sendo esquecidos. Além de não receberem o cuidado, atenção e amor de uma família. Mas quando você abre as portas, é uma troca de gratidão e amor”, relata Vanessa.

Quem tiver interesse em ajudar ou adotar um animal pela ONG, pode entrar em contato pelo telefone (11) 99660-9176.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.