Égua da PM morre e policial se fere durante perseguição a casal suspeito de furtos, em Goiânia, GO

Égua da PM morre e policial se fere durante perseguição a casal suspeito de furtos, em Goiânia, GO

Uma égua da Polícia Militar morreu ao ser atropelada durante uma perseguição a um casal suspeito de furtar residências em Goiânia, nesta sexta-feira (30). O policial que estava montado no animal ficou ferido.

Detido pela corporação, o casal foi levado para a Central de Flagrantes da Polícia Civil. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados. Por isso, o G1 não localizou a defesa deles para se manifestar sobre as acusações.

O caso aconteceu na Vila Monticelli. A PM informou que o motorista do carro jogou o veículo propositalmente para atropelar os três integrantes da cavalaria que ajudavam na perseguição.

A égua que morreu atropelada se chamava Panamá e prestava serviços à corporação há 13 anos. Um outro cavalo ficou ferido, mas os ferimentos foram leves. O terceiro cavalo saiu ileso.

A policial militar que montava a égua sofreu ferimentos na queda, recebeu atendimento médico e está bem, segundo a corporação. Os outros policiais não se feriram.

Prisão dos suspeitos
 
Após o atropelamento, a ocorrência da PM informa que um policial atirou contra o carro dos suspeitos e acertou a perna do motorista. Ele foi socorrido para o Hospital de Urgências de Goiânia. Como o nome dele não foi divulgado, não foi possível atualizar o estado de saúde dele.

Em busca dentro do veículo, os militares encontraram uma arma de mentira, um gerador de energia e um motor de popa. A PM informou que o veículo tem vários sinais de identificação adulterados. A corporação informou ainda que localizou inúmeros registros de ocorrências de furtos a residências envolvendo o veículo em que eles estavam.

Égua Panamá prestava serviços à Polícia Militar goiana há 13 anos. — Foto: Divulgação/Polícia Militar

Por Rafael Oliveira

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: A exploração de animais por forças de segurança é algo medieval. Os animais são expostos a situações de risco como se suas próprias vidas de nada valessem. Com tanta tecnologia hoje, não é possível que o patrulhamento e as ações de perseguição como esta não possam ser feitas de forma a não se dispor de vidas alheias, a dos animais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.