Égua que agonizou em rua de Fortaleza (CE) morre dois dias após ser adotada

Égua que agonizou em rua de Fortaleza (CE) morre dois dias após ser adotada
A égua estava sendo medicada e cuidada em um sítiono Eusébio, na Grande Fortaleza — Foto: Sarah Viana/Arquivo pessoal

A égua encontrada em situação de maus-tratos em uma avenida de Fortaleza morreu neste sábado (20), dois dias após ser “adotada” por um grupo ativista em defesa de animais. Vitória, como era chamada, tinha sido levada para um novo lar, um sítio em Eusébio, na Região Metropolitana, onde era acompanhada por um veterinário.

“Vitória não resistiu e partiu essa manhã. Estávamos tratando e hidratando todos os dias para que ela pudesse se recuperar, mas não foi possível. Perdão, princesa”, comentou o grupo Adote um Pet, que adotou o animal.

O animal estava segundo populares na quinta-feira (18) agonizando na Avenida Almirante Henrique Saboia, próximo à Estação Mucuripe do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Depois de momentos de sofrimento, alguns grupos se mobilizaram para transportá-la e conseguir um ”novo lar” para o animal.

O novo tutor, que não quis se identificar, custeou o transporte do animal, já avaliado por um veterinário.

Descaso

VÍDEO: Cavalo agonizando é encontrado no Mucuripe

O caso da égua Vitória chamou atenção para a falta de um órgão municipal ou estadual para abrigar animais de grande porte abandonado.

Não existe em Fortaleza um órgão responsável por recolher animais de grande porte, como equinos, que estejam em situação de abandono nas ruas, segundo a responsável pela Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa), entidade da prefeitura que atua na elaboração e execução de políticas públicas voltadas para o cuidado animal.

“Com a criação da Coepa, nós botamos o Vetmóvel na rua, que é a grande demanda da população. O que resolve o abandono de animais domésticos é castração. Mas no caso dos equinos, Fortaleza tem poucos especialistas. Neste momento, não é papel nosso. Mas mandamos veterinários pro local, material higiênico e alimentação”, explica a coordenadora da Coepa.

O transporte de animais em caso de abandono não está entre as atribuições do órgão.

Fonte: G1

Égua agoniza em Fortaleza (CE) e população não consegue ajuda de órgãos competentes

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.