Égua que participou de cavalgada passa mal e, forçada a continuar, morre no sul do Tocantins; caso revolta moradores

Égua que participou de cavalgada passa mal e, forçada a continuar, morre no sul do Tocantins; caso revolta moradores
Divulgação

Uma égua que participou da cavalgada que abre a 49ª Exposição Agropecuária de Gurupi, na região sul do estado, morreu na noite deste domingo (28) e o caso ganhou repercussão nas redes sociais.

Segundo testemunhas, o animal passou mal durante o trajeto, que saiu na chácara Linolândia, na saída para o município de Peixe, até o Parque de Exposições de Gurupi. Mesmo com dores, a égua teria sido forçada a continuar o percurso.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram a égua desconfortável em determinado ponto. Horas depois, foram divulgadas imagens do mesmo animal morto, fora do circuito da cavalgada.

Após publicação feita pelo perfil ‘Gurupi Memes’, no Instagram, diversos moradores comentaram sobre o caso.

“Gente, sinceramente. As pessoas se preocupam mais com sua auto exibição do que com o bem-estar do animal. Isso de chama maus-tratos, essa pessoa tem que ser punida”, escreveu uma internauta.

“Pessoal da cidade tem que ir mas pra roça. Animais não fazem checkup igual ser humano faz diariamente, não. Foi uma fatalidade. Acidentes acontecem”, comentou outro.

A organização do evento assinou termo de cooperação com e Ministério Público do Tocantins (MPTO), com medidas e adotando recomendações para evitar situações de maus-tratos aos cavalos e bois. Houve também a proibição de uso de esporas pontiagudas, uso de chicotes de forma agressiva ou com pontas afiadas, excesso de peso no animais e jornada exaustiva durante o percurso. A REDE TO entrou em contato com o órgão, que informou que está levantando as informações sobre o caso.

Procurada pela reportagem, a Polícia Militar (PM) informou que foi acionada e, ao chegar no local, havia uma grande aglomeração de pessoas e havia uma égua caída ao solo no meio da rua. O condutor do animal relatou aos policiais que o animal era do seu pai e que moram na cidade de Figueirópolis. Ele disse que trouxe o animal em uma carreta da comitiva daquela cidade. Ainda segundo o condutor, o animal ficou tonto, caiu e começou a se debater.

“Populares acionaram uma médica veterinária, onde a mesma aplicou soro fisiológico no animal, mas o mesmo veio a falecer. A Secretaria do Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Gurupi esteve no local, onde a mesma providenciou a retirada do animal morto da via pública. Também esteve no local o médico veterinário responsável pela cavalgada”, diz a nota.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) disse que o caso não foi registrado na Polícia Civil.

O que diz o Sindicato Rural de Gurupi

“O Sindicato Rural de Gurupi lamenta profundamente a morte de um animal, ocorrida na noite deste domingo, fora do percurso e após o término da Cavalgada.

A entidade se solidariza com todos aqueles que, assim como o próprio Sindicato Rural de Gurupi, lutam valorosamente pela defesa das causas animais.

Importante destacar que, desde o início da organização do evento, o Sindicato Rural de Gurupi sempre pensou no bem-estar dos animais, determinando quatro pontos de parada para descanso durante o percurso da Cavalgada e a instalação de três pontos de água para a hidratação e cuidado dos animais.

Além disso, o Sindicato Rural de Gurupi também colocou um veterinário à disposição, durante toda a Cavalgada, para prestar atendimento e socorrer os animais que participaram do evento e que precisaram de algum tipo de apoio.

Todos esses serviços oferecidos pelo Sindicato pelo bem-estar dos animais foram amplamente divulgados pela imprensa e era de conhecimento dos participantes.

Infelizmente, neste caso, o auxílio do veterinário oferecido pelo Sindicato Rural de Gurupi na Cavalgada não foi acionado pelo proprietário do animal, já que o referido animal morreu fora do percurso da Cavalgada e após o término do evento.

Lamentamos profundamente o ocorrido e reforçamos nosso compromisso da defesa, do cuidado e do respeito às causas animais.”

Fonte: Rede TO

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.