“Ele limpou onde cozinhava a carne”, dizem vizinhos do assassino de cães em cidade mexicana

“Ele limpou onde cozinhava a carne”, dizem vizinhos do assassino de cães em cidade mexicana
Uma vizinha veio visitar a casa de Martin e ao sair tropeçou na pele de um animal, o que aumentou as suspeitas. Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral

“Na noite anterior, Martín limpou o pátio onde cozinhava a carne de cachorro.” O anúncio foi feito pelos vizinhos do alegado assassino de cães, que foi detido pelas autoridades depois de ter sido revelado que os matou para se alimentar deles. Indicaram que, durante as noites, ele percorria as ruas da colônia para recolher os animais, que levava para sua casa para depois matá-los e cozinhá-los. Durante a última semana, mais de oito desapareceram, a maioria eram filhotes.

Depois que no último dia 03 funcionários da Agência Estatal de Investigações (AEI) prenderam Martin R.V., 59 anos pelo suposto crime de abuso de animais, os vizinhos de “Don Martín” anunciaram que, durante uma semana, vários cães de rua e até cães “domésticos” começaram a desaparecer em circunstâncias suspeitas.

Da mesma forma, indicaram que, nas últimas noites, começaram a ser observados odores desagradáveis, o que causou consternação entre os colonos, pois não sabiam o motivo da situação, sem imaginar o que estava acontecendo.

“Era um cheiro tremendo de carne queimada, como se fosse um animal morto pegando fogo, e era à noite que se sentia mais o cheiro, pois o cheiro permanecia durante o dia, mas não era tão forte.” Eles apontaram.

Foi com o passar dos dias que observaram o vizinho Martin trazendo vários cachorrinhos para sua casa, sem saber onde os havia apanhado, mas sem dar muita importância e apenas o deixaram passar, sendo que s cheiro de animais mortos e queimados aumentou.

“Uma vez vi Don Martín chegar com alguns cachorros em sua casa, mas não me importei; porém, durante a noite começou a cheirar a ossos queimados, como se um animal estivesse sendo cozido.”

Foi certa vez que uma de suas vizinhas decidiu ir visitá-lo, pois, aparentemente, Don Martín havia sido atingido após uma queda, e ela estava preocupada com seu estado de saúde, além do fato de não ter ninguém para cuidar dele desde que sua mãe havia morrido há um ano e ele não tinha parentes próximos, exceto um irmão que raramente vinha vê-lo.

Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral
Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral

Vendo que estava tudo bem, decidiu voltar para casa, mas no caminho tropeçou no que, aparentemente, era a pele de um animal, que estava caída no chão do pátio, o que a fez suspeitar do que estava acontecendo naquele local.

“Fui visitá-lo porque me disseram que ele estava muito machucado, aparentemente ele mesmo havia causado isso, e eu queria ver como ele estava, já que ele morava sozinho, sua mãe havia morrido há um ano e ele raramente recebia visitas do irmão. Não tinha ninguém para cuidar dele, mas quando percebi que ele estava bem de saúde resolvi voltar para casa, mas no caminho tropecei na pele de um animal, mas nunca imaginei o que estava acontecendo.” Ela apontou.

O que aumentou a suspeita foi que Don Martín estava interessado em conseguir alguns cachorrinhos que uma dos cachorras de seus vizinhos tinha tido dias antes, mas ela não quis entregá-los a ele, pois começava a suspeitar do que ele estava fazendo com os animais.

O desaparecimento de pelo menos oito cachorrinhos com menos de um mês de idade foi o que levou ao limite os vizinhos, que começaram a investigar a casa do suspeito, percebendo que o cheiro de queimado vinha de sua casa, além de haver ossos de animais em seu quintal, o que confirmou o pior.

Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral
Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral

Foi por isso que decidiram avisar a Segurança Pública Municipal, que ao se reunir com os vizinhos e perceber o que estava acontecendo, quis agir; no entanto, como não conseguiram entrar na casa do suspeito, nada puderam fazer para impedi-lo.

Assim, decidiram notificar a associação Esquadrão Canino de Matamoros, para que pudessem fazer algo a respeito, e decidiram registrar denúncia na Procuradoria-Geral do Estado da zona sul, para iniciar as investigações.

Por este motivo, funcionários da AEI foram à casa de Don Martín para cumprir um mandado de prisão contra ele pelo suposto crime de abuso de animais, e ele foi colocado à disposição da Procuradoria Geral do Estado para sua exoneração de responsabilidades.

Porém, após a perícia no local, não foram encontradas provas de que Don Martín tenha matado os animais conforme indicado, além de nenhuma prova de que ele tenha cozinhado os animais.

Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral
Foto: Isaac Molina / El Sol de Parral

Aparentemente na noite anterior à sua detenção, o homem aparentemente começou a recolher onde deveria ter cometido os atos terríveis contra os animais, deixando o local do alegado crime completamente limpo, portanto, até agora, não há evidências que refutem os supostos assassinatos de animais, como apontaram os vizinhos do homem de 59 anos.

Refira-se que continuamos à espera que as autoridades do Ministério Público emitam mais informações sobre o sucedido e corroborem ou afastem os fatos pelos quais Martín foi detido.

Por  Christian Baeza / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: El Sol de Parral

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.