Eles fazem a diferença: veterinários de BH que se dedicam a salvar animais carentes

Eles fazem a diferença: veterinários de BH que se dedicam a salvar animais carentes

Por Daniela Costa

MG bh veterinarios solidarios 01

Ao chegar à clínica Cães e Amigos, localizada no bairro Aeroporto, na região da Pampulha, já na recepção observamos cães e gatos fraturados à espera de atendimento. Enquanto aguardamos, o veterinário Marcos de Mourão Motta orienta os tutores de um gatinho que sofreu ataque de um cão, ao mesmo tempo em que responde às demandas do estagiário e atende à recepcionista. O jeito elétrico talvez explique a fonte de energia para dar conta de tantos compromissos. Nas mãos do veterinário tanto pets quanto animais silvestres passam por consultas, exames e cirurgias. No pátio, localizado atrás da casa, várias espécies resgatadas vítimas de maus-tratos se recuperam para, posteriormente, serem encaminhados à ONG Asas e Amigos, outro braço da clínica. Além dos atendimentos particulares que realiza para manter todos os custos – que não são poucos – Marcus e sua equipe também auxiliam animais carentes resgatados por algumas instituições. E ainda sobra tempo para prestar socorro em tragédias como a ocorrida no município de Mariana. “Aqueles sim foram dias difíceis, eram muitos animais em situação crítica. Mas fizemos o que estava ao nosso alcance”, diz.

Acostumados a lidar com doenças e sofrimentos dos mais diversos, esses profissionais não deixam a rotina diária endurecer os seus corações e não ignoram as necessidades dos animais carentes. Sem o apoio do poder público, ONGs, protetores independentes e a população de baixa renda, não têm como arcar com os custos de consultas, vacinas, castrações, entre outros procedimentos. Na capital mineira o preço da consulta gira em torno de R$ 150 e a castração em média de R$ 500, valores impraticáveis para quem ganha salário mínimo, R$ 880. Obviamente que não cabe ao médico veterinário assumir as responsabilidades do estado, no entanto, iniciativas que não visem apenas o lucro fazem toda a diferença. Doar algumas horas do dia, uma vez ao mês, que seja, para atendimento solidário, já seria um bom começo. Exemplo disso é o trabalho realizado pelo veterinário Leonardo Maciel, da Clínica Veterinária Animal Center, localizada no bairro Itapoã. Além de ser precursor no tratamento da leishmaniose canina em BH – não indicando a eutanásia para todos os casos – também acolhe animais silvestres vítimas do tráfico. Co-fundador da Associação Bichos Gerais, a ONG disponibiliza atendimento e castração a baixo custo, entre outras ações que promove junto à comunidades. Em um de seus textos publicados, Leonardo disse acreditar que aqueles que optam por cursar medicina veterinária devem ter no mínimo simpatia e interesse por animais. Contudo, durante o próprio curso, é incutida a desvalorização da vida na personalidade em formação, e declara: “Sinto dor todos os dias, ao pensar no tremendo equívoco que nossa espécie está cometendo com relação às outras. Dor por saber quão lentamente caminhamos e quanta dor causamos”. Para ele, não há ética em se usar a vida dos animais em nome da ciência. E afirma que por não terem os seus direitos reconhecidos, as espécies não humanas não têm o seu sofrimento considerado. “Se o animal for um cão, um gato, um cavalo ou uma ave engaiolada, terá mais sorte que um veterinário lhe dê atenção, mas para a maior parte das espécies o veterinário tem agido mais como um algoz”, declara. A humanização desses profissionais é a chave para que os animais passem a ser tratados e respeitados como vidas, que de fato o são, e não como produtos. Felizmente, muitas iniciativas nesse sentido têm sido adotadas e, mesmo que anonimante, inúmeros veterinários dedicam parte do seu trabalho à prática da solidariedade.

Faça parte dessa rede de solidariedade. Colabore:

ONG Asas e Amigos

Banco Itaú – Agência: 0689
Conta Corrente: 02806-6
CNPJ: 14.745.015/0001-93

Associação Bichos Gerais

Banco Itaú – Agência: 3161

Conta Corrente: 13907-0

Fonte: Revista Encontro

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.