Em dois anos, irmãs resgataram mais de 2 mil animais que eram maltratados

Em dois anos, irmãs resgataram mais de 2 mil animais que eram maltratados
Foto: Arquivo Pessoal

O assunto não é tão comentado, mas os números são alarmantes. Fundadoras de uma ONG (Organização não Governamental), duas irmãs de Campo Grande (MS) já resgataram mais de dois mil animais em situação de maus-tratos nos últimos 24 meses.

Paola de Sousa Brizuena, 25 anos, conta que ela e a irmã, Natália, sempre foram envolvidas com a causa animal e, desde 2012, se dedicam ao trabalho de resgatar animais em situação de vulnerabilidade. ”Nós ajudávamos outras ONGs com resgates, mas há dois anos resolvemos fundar a Guarda Animal”, explicou.

(Antes e depois de cachorro resgatado. Foto: Arquivo Pessoal)

Segundo Paola, por semestre, a ONG resgata aproximadamente 500 animais somente em Campo Grande. Na maioria dos casos são cães abandonados pelos donos, doentes ou que foram atropelados. ”Nunca resgatamos um cachorro saudável”, disse.

De todos os resgates, o que mais mexeu com a protetora foi uma cadela que foi esfaqueada pelo próprio dono no bairro Coronel Antonino. ”A gente nunca tinha visto algo assim. Sempre resgatamos o animal muito mal de saúde, magro, mas esfaqueado e com as vísceras expostas foi a primeira vez. Isso chocou muito a gente”.


(Paola e Natália resgatam animais desde 2012. Foto: Arquivo Pessoal)

Conforme Paola, apesar de ser pouco divulgado, caso de maus-tratos contra animais são muito recorrentes em Campo Grande. Para diminuir o número de casos, a prefeitura e o Estado deveriam criar leis mais severas.

”Leis mais rígidas ajudariam muito, punir com multas, ter um hospital veterinário público com serviço de castração em massa. Se a pessoa tem animal e não tem condições de cuidar, então que não tenha. Qualquer coisa levam para o CCZ (Centro de Controle de Zoonozes), mas lá não é abrigo”, defendeu.

Em Campo Grande, casos de maus-tratos podem ser denunciados na Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Ambientais e Atendimento ao Turista (DECAT) por meio do telefone (67) 3325-2567.

Por Kerolyn Araújo

Fonte: Top Mídia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.