Em Roraima, animais de estimação podem tirar passaporte para viagem

É um documento de identificação do animal válido nos países do Mercosul. Passaporte é emitido pelo Ministério da Agricultura no estado.

Para diminuir a burocracia durante viagens com animais de estimação, foi criado em Roraima o passaporte para animais. O documento é emitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e pode ser utilizado em viagens nacionais e internacionais.

De acordo com o fiscal agropecuário federal Estácio Melo a iniciativa é uma forma de identificação do animal. “Dentro do Brasil ele é obrigatório. Este é um documento de identificação que deve ser usado para facilitar o trâmite sanitário. Nos países do Mercosul ele é válido, mas nos países da comunidade europeia é preciso um certificado zoosanitário internacional”, explicou.

O passaporte só será emitido para os animais que possuírem um microchip que deverá ser implantado por um médico veterinário. “Com isso é feita a leitura quando for ser emitido o passaporte, ao sair do país e ao retornar. Isso para identificar se o animal é compatível com o passaporte”, destacou Melo, acrescentando que o veterinário também deve registrar todas as informações sanitárias no passaporte 10 dias antes do embarque.

Como documentos necessários para serem apresentados na viagem estão o nome do animal, data de nascimento, cartão de vacina, datas em que foi ao veterinário, atestados emitidos pelo veterinário e se tem pedigree ou não, segundo o proprietário de um Peh Shop Carlos Aguiar.

Fonte: G1

Nota do Olhar Animal: Pergunta: no que ter pedigree importa em questões zoosanitárias? Ter pedigree significa, sim, estar sujeito a vários tipos de doenças congênitas e a ser visto como uma mercadoria.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.