Em Teresina (PI), protetora que cuida de 160 animais pede ajuda para manter abrigo

Em Teresina (PI), protetora que cuida de 160 animais pede ajuda para manter abrigo
Foto: Arquivo Pessoal

Apesar de o abandono de animais ser crime, é comum vermos nas ruas das cidades cães e gatos sem dono. Com fome, sede e, muitas vezes, doentes, estes animais nem sempre são adotados e acabam tendo que lutar diariamente para sobreviver. Há 10 anos, a protetora Raissa Rocha trabalha com a proteção de animais abandonados em Teresina. Desde 2019, ela possui a Casa Pet, um lar temporário para resgate de animais.

Atualmente, a casa abriga mais de 160 animais, entre cachorros e gatos. Todos os dias, cerca de 120 bichinhos são alimentados nas ruas da cidade. No entanto, não é tão simples atuar na causa. Conseguir alimentos e achar lares adotivos para os animais são um dos principais desafios. “Diariamente precisamos de 75 kg de ração de cachorro, 15 kg de ração de gatinhos e 10 kg de ração de cachorros filhotes. Para amanhã já não temos ração suficiente para todos”, conta Raissa Rocha.

Nesta semana, viralizou nas redes sociais vídeos da protetora pedindo ajuda. Nas imagens, Raissa levava para casa mais uma cadela resgatada. Bianca, como foi nomeada, estava em meio a uma avenida movimentada de carros e caminhões. Chorando, a protetora afirmou que “não tem capacidade de abandonar uma criatura que pede socorro”.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Portal O Dia (@portalodiapi)

“Não tenho mais onde colocar animais, não tenho como alimentá-los. Muitas pessoas estão ajudando, com 10, 20, 30 reais, mas eu preciso de quase 600 reais todos os dias para alimentar os que já estão comigo”, disse a protetora no vídeo.

(Foto: Reprodução/Redes sociais)
(Foto: Reprodução/Redes sociais)

A Casa Pet não possui apoio do poder público e sobrevive de doações da população piauiense. “Não estou conseguindo ajuda nem para suprir a ração de todos os resgatados. Esse é meu desespero. Ter que resgatar mais um sem ter lugar e sem alimento para todos os animais já abrigados”, destaca a protetora.

Por Emelly Alves

Fonte: Portal O Dia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.