Embaixada chinesa em Londres recusa petição contra o Festival Yulin de carne de cachorro com 11 milhões de assinaturas

Embaixada chinesa em Londres recusa petição contra o Festival Yulin de carne de cachorro com 11 milhões de assinaturas

Por Anne Sewell / Tradução de Alice Wehrle Gomide

O ícone de Star Wars, Carrie Fisher, estava entre os ativistas tentando apresentar uma petição com 11 milhões de assinaturas para a Embaixada Chinesa em Londres contra o Festival Yulin de carne de cachorro. Enquanto isso em Beijing, a mesma petição foi entregue ao escritório representativo da cidade de Yulin com mais sucesso.

China recusa peticao festival2

Uma petição recente contra o festival de carne de cachorro na China chamou a atenção de amantes de cães e celebridades ao redor do mundo. Na realidade, ela recebeu tanto apoio que 11 milhões de pessoas a assinaram. Entretanto, a Embaixada Chinesa em Londres se recusou a aceitar a petição.

A cada ano há protesto e repugnância em massa ao redor do mundo por causa do festival, onde cães são reunidos em gaiolas e então brutalmente mortos para serem cozidos e servidos como comida. Imagens macabras são compartilhadas pela mídia social conforme mais pessoas se juntam à luta para acabar com a prática quase medieval.

O festival está programado para o dia 21 de junho na província de Guangxi, na China, onde milhares de cães enfrentam a morte, e certamente não de uma forma humana.

Como a data do Festival Yulin se aproxima, celebridades e manifestantes se reuniram do lado de fora da Embaixada Chinesa em Londres, na Inglaterra, quando Rob Flello, um membro do parlamento da cidade de Stoke-on-Trent, entrou com a petição assinada em mãos.

Entretanto, apesar do fato de que 11 milhões de pessoas assinaram a petição, pedindo a proibição do festival, seu desapontamento foi claro quando a embaixada se recusou a pegar a petição das mãos de Flello.

Flello compartilhou a foto dele mesmo de pé nos degraus da embaixada no dia 7 de junho, tentando entregar a petição.

China recusa peticao festival3

Flello não estava sozinho e várias celebridades estavam ao seu lado na frente da embaixada, incluindo a estrela de Star Wars Carrie Fisher, com seu cão Gary; Victoria Stillwell, uma especialista em comportamento canino; as atrizes Jenny Seagrove e Lucy Watson e a cantora Sandi Thom, entre outros.

O protesto, organizado pela Humane Society International UK, chamou muita atenção para aumentar a conscientização sobre a causa.

Além dos protestos em Londres, cerca de 24 ativistas na China também submeteram a petição ao escritório representativo da cidade de Yulin em Beijing. De acordo com o relatado, os ativistas representaram três grupos: Humane Society International, VShine e Beijing Mothers Against Animal Cruelty, e eles tiverem mais sorte já que a petição foi aceita.

Conforme reportado pelo Hong Kong Free Press, a petição incluiu uma carta endereçada ao presidente da China Xi Jinping, pedindo que ele coloque um fim no Festival Yulin de carne de cachorro. A carta disse a Xi que, se ele fizesse isso, ele demonstraria “liderança na proteção do bem-estar de pessoas e animais, e demonstraria que a reputação global da China como uma nação progressiva não será manchada por tais atividades”.

A multidão de ativistas carregava cartazes dizendo: “Que vergonha Yulin” em chinês, enquanto outros diziam: “Eu não sou seu jantar”.

O Hong Kong Free Press cita Xu Yufeng, fundadora do Beijing Mothers Against Animal Cruelty, dizendo, “Yulin é uma vergonha total para a China”.

“Nós pedimos às autoridades de Yulin que fiquem do lado certo da história e que acabem com o ‘festival’ em nome da segurança pública, segurança alimentar, moralidade social e a reputação da China”, ela acrescentou.

Também houve um protesto na frente do Consulado Chinês em Toronto, no Canadá, no dia 11 de junho.

De acordo com uma reportagem da revista Dog Magazine, a maioria dos chineses não come carne de cachorro. Os oponentes à prática disseram que muitos dos cães mortos no Festival Yulin são animais de estimação, roubados de seus lares e ainda usando suas coleiras, ou coletados das ruas e, portanto, um risco à saúde. Entretanto, de acordo com os apoiadores do festival, comer cachorro não é diferente de consumir qualquer outro animal.

Conforme a data do festival se aproxima, muitos protestos e vigílias à luz de velas são planejados para ocorrerem mundialmente na esperança de finalmente acabar com o evento brutal.

Fonte: Inquisitr

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.