Engenheiro de pesca resgata tartaruga em Jaboatão, PE

Engenheiro de pesca resgata tartaruga em Jaboatão, PE
Tartaruga na praia de Jaboatão (Fotos: Cortesia)

“Nunca pensei que viria uma maldade assim com tartarugas marinhas. Mas ficou a sensação de dever cumprido e de fazer a coisa certa. Como ficou também o gosto amargo de presenciar um fato tão triste. É desumano com esses animais belíssimos e indefesos”. O desabafo é do engenheiro de pesca Willy Pessoa que, por meio da sua página no Facebook, relatou o resgate de uma tartaruga da espécie pente (Eretmochelys imbricata) na divisa das praias de Candeias e Barra de Jangada, na Região Metropolitana do Recife.

Da varanda do prédio onde mora, à beira-mar, ele viu, por volta das 22h dessa quinta-feira (22), dois homens cercando, na areia da praia, uma tartaruga de pouco mais de um metro de comprimento, o que, imediatamente, o deixou curioso para saber qual a real intenção da dupla.

O engenheiro de pesca relatou que junto a eles havia uma carroça, o que o levou a desconfiar de que a intenção era levar a tartaruga. E talvez, se ele não interferisse a tempo de salvá-la, o animal viraria apenas mais uma vítima da má-fé. “Eu e moradores do prédio descemos já para coibi-los de fazer algo contra a tartaruga. Perguntei se eles sabiam o que é crime ambiental. Que existe a lei nº 9605 (Lei de Crimes Ambientais), que prevê detenção de até dois anos em casos de captura, matança, coleta de ovos e distúrbios de habitat da fauna silvestre. Na hora me olharam com cara de deboche”, conta.

Ele, inclusive, informou que os homens disseram que a tartaruga estava se enterrando “agoniada”. “Muito, provavelmente, eles interromperam uma desova, pois elas estão no período de reprodução, e, entre Candeias e Piedade, há uma grande incidência de desova”, salienta.

Como uma forma de intimidá-los, Pessoa ligou para vários órgãos ambientais a fim de pedir socorro e resgate do animal. Ele conta que tentou, por incansáveis vezes, registrar a ocorrência junto à Cipoma, Ibama, Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), Corpo de Bombeiros, mas sem sucesso. “Foi aí que lembrei de um amigo policial, também engenheiro de pesca, para que ele me ajudasse. De pronto, ele pediu uma viatura em caráter de urgência. Até o socorro chegar, o que durou pouco mais de uma hora, seguramos a tartaruga”, diz. O animal foi levado para um lugar seguro, na areia, a 2 km do ponto em que foi encontrada, ideal para uma reprodução sem risco de interferência humana e redes de pesca.

Crítica

Willy Pessoa chama a atenção para a falta de apoio de órgãos ambientais. “Nunca pensei que o nosso sistema de proteção aos animais marinhos fosse tão deficiente e falho, apesar dos acertos que também acontecem. Esses casos não têm hora para acontecer e não há plantão fiscal, o que leva muitos resgastes ocorrerem por ação voluntária. Nem quero pensar o que poderia acontecer a essa tartaruga”, fala, aliviado.

Resposta

A Folha entrou em contato com as instituições em que o engenheiro de pesca tentou registrar ocorrência. Assim como o plantão do Ibama, o da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), funciona de segunda a sexta, das 8h às 17h. As pessoas podem entrar em contato com a “linha verde” do Ibama, por meio do 0800.61.8080. Já o da CPRH, por meio do 3182.8905. A Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma), no entanto, funciona de domingo a domingo, com regime de plantão 24h.

Por meio do telefone 3181.1707, a reportagem foi informada de que o efetivo é defasado para a quantidade de demandas que ocorrem, à medida que o órgão não é dedicado apenas ao meio ambiente, mas a outras diligências como proteção a bancos e apreensão de armas. Por fim, o Corpo de Bombeiros informou que apreensão de animais não é de competência do órgão.

Por Priscilla Costa

Fonte: Folha PE


Nota do Olhar Animal: Muito bom que o engenheiro tenha se sensibilizado e socorrido a tartaruga. Que um dia ele e todas as pessoas se conscientizem e sensibilizem para o fato de que os peixes são tão sencientes quanto este réptil e, portanto, merecem igual consideração.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.