Engenheiro pega sete meses de prisão por atear fogo a um cão de rua

Engenheiro pega sete meses de prisão por atear fogo a um cão de rua
Foto: Redação Dia a Dia

Um engenheiro de Mendoza, na Argentina, foi condenado a sete meses de prisão por atear fogo e matar um cão de rua, no feito ocorrido em 2015 na região de Guaymallén.

No que é considerado um feito inédito, o Tribunal Criminal Oral 1 de Mendonza, sob responsabilidade do juiz Orlando Vargas, determinou a culpabilidade de Miguel Manson (49) por maltrato animal.

O acusado admitiu as acusações em um julgamento encurtado que foi realizado na semana passada nos tribunal provincial. Mais de 50 pessoas esperavam a sentença com cartazes e cantigas contra o acusado.

“O trâmite foi normal. É interessante a pena imposta, que é de sete meses de prisão, já que a pena mínima é de 15 dias a um ano”, declarou o juiz Vargas. Por ordem judicial, o homem deve fazer tratamento psiquiátrico durante um ano até novo julgamento.

No dia 29 de outubro de 2015, Manson jogou gasolina e ateou fogo em um cachorrinho que sempre andava pela região e que os vizinhos chamavam de “Fueguito”. Estes foram alertados pelos gritos do animal, o socorreram e o levaram a uma clínica, onde ele morreu três dias depois.

O advogado da Associação Protetora dos Animais, Ulises Morales, disse estar “muito satisfeito com a sentença” e destacou que “a justiça foi feita”.

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Dia a Dia

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.