Entenda a polêmica por trás dos animais cor de rosa

Entenda a polêmica por trás dos animais cor de rosa

A utilização de animais pintados de rosa numa prova de laço envolvendo mulheres é uma nova polêmica que vem da Fronteira. A cena inusitada foi vista durante a Campereada Internacional de Santana do Livramento, encerrada na última quarta-feira (1°). O registro feito pelo fotógrafo Jaderson Alves mostra uma égua e um boi tingidos naquela que seria “uma homenagem das prendas ao laço perfumado”, como define o coordenador do rodeio, Sérgio Munhoz. Laço perfumado é a modalidade do esporte voltada às mulheres.

— O objetivo da iniciativa, organizada por uma médica veterinária, não foi agredir ninguém, pelo contrário — garante Munhoz. 

O diretor do Sindicato dos Médicos Veterinários do Estado (Simvet), João Júnior, diz que apesar da intenção positiva, o que precisa ser avaliado é qual produto foi aplicado na pintura. 

— Sabemos que existe tingimento específico para cães, onde diminui a possibilidade de reações alérgicas. Se foi utilizada tinta comum, essa não deverá ser uma prática realizada, pois pode causar diversas reações aos animais — diz Júnior.

Mais de 1,3 mil seguidores comentaram o tingimento dos animais, na página do Repórter Farroupilha no Facebook, a grande maioria contra a iniciativa. 

Em nota, a médica veterinária Caroline Menezes, que organizou a prova do “laço perfumado”, disse que usou corante de bolo para tingir os animais e que não houve maus tratos. 

Por Giovani Grizotti

Fonte: Gaúcha ZH

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.