Entrega voluntária de animais silvestres e exóticos cresce 71% em Minas Gerais

Entrega voluntária de animais silvestres e exóticos cresce 71% em Minas Gerais
Polícia apreende 27 filhotes de papagaio — Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

As entregas voluntárias de animais silvestres e exóticos em Minas Gerais aumentaram 71%, entre janeiro e julho, segundo o Instituto Estadual de Florestas (IEF), que recebeu 575 animais. A lei de crimes ambientais prevê detenção de seis meses a um ano e multa, que pode chegar a R$ 5 mil, para quem captura, vende e tem em depósito animal silvestre sem autorização.

Vídeo: Cresce número de animais entregues ao IEF pelos tutores.

Somente em julho, quando ocorreu o caso de um homem que foi picado por uma naja mantida em cativeiro irregular, em Brasília, o instituto recebeu 34 animais. Entre as espécies exóticas estrangeiras mais conhecidas têm leões, zebras, elefantes, ursos, crocodilos, najas, entre outros. Para estimação, os animais exóticos mais comuns no Brasil são as aves, por exemplo, calopsitas, periquitos australianos, canários do reino e cacatuas.

As principais espécies silvestres entregues voluntariamente estão os psitacídeos (papagaios, araras, maritacas e periquitos), seguidos de jabutis. Em relação aos animais exóticos recebidos, destaca-se o tigre-d’água-americano, também conhecido como tartaruga-de-orelha-vermelha.

Em Minas Gerais, são consideradas infrações: transportar, ter a posse, utilizar, guardar ou ter em cativeiro espécimes da fauna silvestre nativa ou em rota migratória sem a devida permissão, licença, autorização do órgão ambiental competente ou em desconformidade com o autorizado, licenciado ou permitido.

Os endereços e telefones dos locais de entrega estão disponíveis no site do IEF.

Denúncia sobre a criação e manutenção de animais silvestres e exóticos em cativeiro irregular podem ser feitas nos seguintes contatos:

  • Linha verde do Ibama: 0800-61-8080
  • Polícia Militar de Meio Ambiente: (31) 2123-1600/1635
  • Disque denúncia 181

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.