Equipe incrível de resgate ajuda mais de mil animais feridos na passagem do furacão Matthew no Haiti

Equipe incrível de resgate ajuda mais de mil animais feridos na passagem do furacão Matthew no Haiti

O Furacão Mathew atingiu o Haiti no início de outubro, deixando o país e seus habitantes em desespero. Em desastres naturais, frequentemente as pessoas recebem mais nossa atenção e empatia enquanto os animais ficam esquecidos. Uma organização, porém, nos mostra que pessoas e animais não estão desconectados quando se trata de tragédias como essa. De fato, se você quer ajudar as pessoas, você tem que ajudar os animais também.

Assim como aconteceu no terremoto de 2010, a Human Society International (HSI) entrou em ação e enviou uma equipe de resgatistas e veterinários para ajudar a tratar os animais no Haiti. Após tratar de 282 animais na sua primeira visita, eles enviaram uma segunda equipe na semana passada para ajudar a montar uma clínica veterinária de emergência para auxiliar a tratar e alimentar mais animais necessitados.

Fornecendo cuidados veterinários de emergência aos animais no Haiti

Como consequência de um furacão, os animais que sobrevivem são deixados em lugares alagados ou sujos onde frequentemente acabam machucados, infectados ou mal nutridos. Para ajudá-los a superar essa situação, a HSI montou uma clínica veterinária de emergência na sua segunda visita, de onde retornaram recentemente, para deixá-los fortes e saudáveis. Trabalhando em conjunto com os grupos locais 4 Patté (4 Patas), World Horse Welfare Association (Associação Mundial do Bem estar Equino) e o Ministério da Agricultura do Haiti, a HSI montou clínicas nas áreas mais atingidas do país e começou a vermifugar, vacinar e dar vitaminas aos animais.

A maioria dos animais tratados era de burros, cavalos, bodes, porcos e vacas, mas também havia cães e gatos precisando de tratamento. E muitos dos animais que foram parar em uma clínica de emergência estavam muitas vezes com machucados sérios, necessitando de cuidados e atenção urgentes. Em menos de uma semana, os veterinários ajudaram mais de mil e duzentos animais em quatro comunidades diferentes.

A barreira da língua e outros desafios

O idioma, de acordo com a Dra. Claudia Edwars, diretora de campanhas da HSI México, foi um dos maiores desafios ao ajudar os animais do Haiti.

“As pessoas no Haiti falam crioulo e era importante explicar não apenas o que nós estávamos fazendo, mas também como continuar o tratamento, prevenir outras doenças ou ferimentos e como lidar com os animais apropriadamente, sem maltratá-los,” disse Edwards. “Felizmente a equipe da 4 Patté falava espanhol, inglês, francês e crioulo fluentemente.”

Outro desafio foi ver animais com feridas recém curadas voltarem a carregar peso até o mercado, uma viagem tipicamente de quatro horas. Principalmente quando os animais deveriam ter ao menos dez dias de folga para se curar antes de carregar peso.

“Nós tentamos conscientizar sobre a importância de deixá-los descansar e explicamos como colocar o peso de forma a prejudicá-los menos,” falou Edwars. “Nós planejamos fazer um vídeo para a 4 Patté para que eles possam ensinar as pessoas a fazer selas eficientes, de material reciclado, para prevenir irritações e machucados.”

Outro desafio ainda é conseguir os medicamentos e vacinas para tratar os animais no Haiti. A HSI planeja atuar com oficiais haitianos para trabalhar em longo prazo no país e, consequentemente, ajudar mais animais.

Porque ajudar animais no Haiti também ajuda as pessoas

O Haiti está um caos no momento. Inúmeras pessoas perderam tudo devido às enchentes e muitos animais morreram em decorrência dessa catástrofe. Algumas pessoas podem dizer que precisamos focar em ajudar a nossa própria espécie ao invés de outras. A verdade é que se nós queremos ajudar a nossa própria espécie nesse desastre, nós precisamos ajudar também os animais. Por quê? Porque os haitianos dependem dos seus animais para sobreviver. Os animais os ajudam a coletar água, carregar suprimentos e ir ao mercado. Eles também são um meio de transporte. Em outras palavras, se os seus animais estão doentes, as pessoas também irão sofrer.

Apesar de tudo que enfrentaram, a HSI disse que nunca viu pessoas tão felizes e resilientes.

“A maioria das pessoas que vivem fora de Porto Príncipe não têm eletricidade ou água potável, a maioria não tem um emprego e tem que viver com as pequenas safras que eles conseguem plantar ou vender no mercado no local,” disse Edwards. “Mas apesar do desastre, você vai a qualquer lugar e as pessoas sempre lhe recebem com um grande sorriso, elas são tão gratas pela ajuda, elas estão felizes e prontas para superar essa catástrofe.”

Como você pode ajudar?

Se você quer ajudar os animais e pessoas que estão sofrendo no Haiti, doe para a HSI hoje. Eles precisam do máximo de fundos possível para comprar vacinas para antraz, raiva e tétano e conseguir mais medicamentos e vermífugos para o Haiti. A sua doação pode ajudar vidas.


Nota do Olhar Animal: Um belo trabalho, porém é bastante equivocada a visão de que é necessária outra justificativa para socorrer os animais além de salvar a própria vida deles. Muito menos a justificativa de que devem ser salvos para que possam continuar a ser explorados por humanos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.