Era usada como isca nas lutas de cães e foi resgatada. Conheça a história da “pirata”

Era usada como isca nas lutas de cães e foi resgatada. Conheça a história da “pirata”
Foi resgata quando tinha entre dois e três anos.

As lutas de cães são consideradas ilegais em grande parte do mundo, mas ainda acontecem com mais frequência do que se imagina. Nos Estados Unidos, Haddie é um exemplo vivo disso. Hoje, vive feliz com a tutora Williams, mas nem sempre foi assim. Por pouco, a rafeira não foi mais uma vítima dos combates que causam a morte de milhares de cães por ano. E o seu caso, era ainda mais grave: era usada como isco para treinar o instinto de luta dos cães lutadores.

Os “cães de isco”, como são conhecidos, são animais submetidos a repetitivos abusos e ataques à medida que os cães de luta aprendem a ser agressivos. Na maioria dos casos, não sobrevivem aos graves ferimentos. Mas com Haddie, a história foi outra. Não se sabe quanto tempo a pequena cadela foi alvo de abusos mas em 2020, o seu inferno chegou ao fim, quando uma senhora denunciou as lutas de cães e o espaço foi interditado pela polícia.

A patuda foi então transportada para a Mutt Scouts, uma associação de resgate animal na Califórnia, onde começou os primeiros tratamentos. “Ela tinha ferimentos por toda parte, mas o pior era no rosto. A pele ao redor dos olhos e da boca estava tão danificada que não ficava presa e estava a cair. Grande parte teve que ser removida, assim como o seu olho direito”, contou Williams para o jornal NewsWeek.

Haddie tinha entre dois e três anos quando foi resgatada e a equipa do abrigo não soube dizer por quanto tempo foi alvo de ataques forçados ou como foi lá parar em primeiro lugar. No abrigo, foi submetida a diversas cirurgias até que, em agosto de 2020, estava finalmente pronta para encontrar um lar. Na mesma altura, Williams estava a procura de adotar um cão semelhante a Elly, o seu companheiro de quatro patas que havia morrido.

“Eu continuei a ver a foto de Haddie na página de adoção e não conseguia tirá-la da minha cabeça. Ela claramente havia passado por tanta coisa, mas parecia tão feliz. Sabia que tinha que pelo menos candidatar-me para poder seguir em frente. Mas o Mutt Scouts chamou-me para uma entrevista, e foi claramente uma combinação perfeita”, partilha. Atualmente, Haddie é saudável e não sente dor. Todos os dias passa protetor solar no focinho.

Haddie, a cadela pirata

É assim que a patuda é conhecida nas redes sociais. Sem um olho e parte do focinho, a sua fisionomia faz com que seja constantemente comparadas com piratas. No Instagram, conta com quase 100 mil seguidores e todos a adoram.

Apesar de hoje ser feliz, ainda carrega alguns traumas do passado. No seu primeiro ano na nova casa, a tutora ajudou a cadela a sentir-se confortável com outros cães. O primeiro passo do processo era acalmar Haddie quando esta via outro cão. Posteriormente, com a ajuda de um treinador, o trio saia para parques caninos e toda vez que Haddie se aproximava de um cão, recebia biscoitos como recompensa. Com o tempo, foi associando outros patudos com diversão e petiscos.

Hoje, já consegue brincar com outros animais, mas fica sempre cautelosa. “Ela às vezes fica assustada quando vê outros cães. Por isso, fico sempre por perto para garantir que ela não tenha medo”, escreveu Williams no Instagram. Por outro lado, com os companheiros de quatro patas que já conhece, a diversão é garantida.

“Ela adora outros cães. É emocionante ver, considerando o medo que ela tinha quando eu a adotei. Temos um parque perto do nosso apartamento e vamos lá quase todos os dias. Amo vê-la correr e brincar com os outros cães, pois mostra o quão normal, feliz e mimada ela é agora”, diz.

Para além do interesse nos outros cães, a cadela também adora crianças. “São as minhas interações favoritas”, confessa a tutora. “Ela é incrivelmente paciente com eles e adora ficar quieta enquanto eles a acariciam e fazem perguntas. Dou respostas apropriadas à idade e eles são sempre compreensivos e veem como ela é uma ótima menina”.

Dois anos já se passaram desde que foi resgatada e uma cosia é certa: Haddie está a viver a sua melhor vida e não poderia estar mais feliz. Futuramente, a tutora diz que a patuda pode até dividir a casa com um “mano” de quatro patas.

Percorra a galeria para conhecer mais sobre a cadela pirata.

Por Izabelli Pincelli

Fonte: Pets in Town / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.