Escoceses podem atirar em um leão por 60 mil libras

Escoceses podem atirar em um leão por 60 mil libras

Sediado nos Highlands, na Escócia, Peter Swales organiza viagens à África para prática do esporte de caça de animais de grande porte.

Por Derek Alexander / Tradução de Ana Lídia Leão

Escocia promocao caca

Donos de agências turísticas escocesas se tornam alvo de severas críticas por apoiarem a caça, organizando safaris onde clientes milionários podem atirar num leão por 60 mil libras.

Sediado emHighlands, na Escócia, Peter Swales organiza viagens à África para prática do esporte de caça de animais de grande porte.

Contudo, ativistas se irritam que o Conselho Nacional de Turismo – VISITSCOTLAND – promove o negócio de 71 anos através de link na website oficial.

Defensores dos direitos dos animais solicitam que o Conselho corte relações com Swales.

Escocia promocao caca2

Swales, contudo, defendeu ontem sua atividade, que também organiza festas de tiros na Escócia, distanciando-a da caça ilegal do leão mais famoso da África, morto pelo dentista americano Walter Palmer.

PETA (Pessoas para um Tratamento Ético aos Animais), um influente grupo de defesa dos direitos dos animais, liderou a crítica ao “VisitScotland”.

Eles disseram: “A maioria das pessoas estão horrorizadas pela ideia de abater animais sensíveis – animais com inteligência -, sejam eles veados, leões ou elefantes, em razão de um troféu”.

Assim, parece quase impensável que a organização nacional de turismo da Escócia esteja promovendo uma empresa que lucre exatamente com isso.”

Escocia promocao caca3

“As agências de viagem inteligentes estão cortando as atividades prejudiciais aos animais.”

Dado que o Governo escocês apoia a manutenção da Lei de Caça, nós supomos que esta promoção é um descuido enorme.

Nós contataremos aVisitScotland para lhe recomendarque remova, em caráter de urgência, todos esses tipos de promoções do website.”

Rhoda Grant, uma conservacionista do Partido Nacional dos Trabalhadores da região deHighlands e Island,disse que ficou aterrorizada pela promoção do negócio de Swales.

Ela acrescentou: “Caça de animais em risco de extinção é errado. Também acho estranho que aVisitScoland promova um negócio que leveas pessoas para fora do país.”

“A VisitScoland deve pensar longa e seriamente sobre a associação deles com esta empresa e remover o link do website.”

A morte de Cecil, que foi identificado por pesquisadores numa reserva natural do Zimbabwe, impulsionou a discussão sobre a preservação animal para o topo da agenda global de notícias na semana passada.

Escocia promocao caca5

Autoridades do Zimbabwe disseram que o leão foi atraído para fora do parque, onde foi ilegalmente alvejadopelo arco e fecha de Palmer, antes de ele ser perseguido, baleado e ter a pele arrancada.

Alega-se que Palmer pagou 32 mil libras para matar Cecil, um leão de 13 anos, em 1o de julho. Palmer se desculpou e insistiu que não sabia que ele havia desrespeitado nenhuma lei.

Ele passou a se esconder e fechou seu negócio depois que passou a sofrer uma reação pública, o que incluiu ameaças à sua vida.

Theo Bronkhorst, caçador profissional zimbabuano, e o proprietário de terras HonestNdlovu se declararam inocentes das acusações que enfrentam sobre suas participações na morte de Cecil.

Bronkhorst disse que o dentista também queria caçar “um elefante enorme” com dentes que pesavam mais de 27 quilos.

Escocia promocao caca4

Políticos zimbabuanos requereramaos Estados Unidos a extradição do dentista de Minnesota, para que este enfrente o julgamento pelo crime de caça ilegal.

Se condenado, Palmer podereceber uma pena de até 10 anos de prisão, bem como multa de 13 mil libras (cerca de 70.000 reais).

Swales, que organiza viagens de caça para Zimbabwe, Tanzânia, Namíbia e República Centro-Africana a partir de sua casa em Beauly, no Condado de Inverness-shire (Escócia), foi rápido em distanciar-se de Palmer.

Este disse: “Todas minhas caças são legais e é por isso que as pessoas me procuram. Meus clientes são na sua maioria estrangeiros que visitaram a Escócia, em especial americanos, mas Palmer não é um dos meus clientes”.

Os clientes querem que eu organize as caçadas para eles na África, pois eu tenho uma boa reputação. Má publicidade não prejudicará a caça desportiva de grandes animais. Custa muito dinheiro e muito poucas pessoas fazem isto.

O que aconteceu com este leão no Zimbabwe não os afastarão da caça desportiva de forma alguma.”

“Se o que foi dito de Palmer for verdade, então, o homem é um idiota.”

“Mas nem todos os caçadores podem ser considerados farinha do mesmo saco. É o mesmo que dizer que todos os jogadores de futebol são estupradores de mulher porque Ched Evans estuprou uma.”

Ex-atacante do Sheffield United, Evans foi encarcerado por cinco anos em 2012, quando ele foi condenadopelo estupro de uma mulher de 19 anos em um quarto de hotel.Ele foi solto ano passado, após cumprir metade da pena.

Swales também organiza caçadas na Escócia, onde seus clientes atiram em cervos, perdizes e faisões.

Em sua website, ele informa que sua empresa pode ainda organizar caçadas na Rússia, Canadá, Argentina, Turquia e Hungria.

O site inclui fotos de Swales com seus clientes, posando orgulhosamente com animais mortos, incluindo um leão, um leopardo e um búfalo.

O inglês mudou-se para os Highlands em 1972 e desde 1976 organiza as caçadas.

O site de empresa internacional de caça esportiva e caça de aves de Peter Swales ainda se gaba do fato de ter “um portfólio cada vez maior de locais e espécies em muitos outros lugares interessantes no mundo”.

Swales tem uma exposição na Feira de jogos campestres e rurais, que ocorre este final de semana, na propriedade rural “HarewoodHouse”, na cidade de Leeds (Yorkshire – Inglaterra), em uma tentativa de angariar negócios.

Ele diz que: “Uma caça ao leão custa, no mínimo, 95 mil dólares – aproximadamente 60 mil libras, portanto, é bem cara”.

“Isto cobre as taxas, impostos e três semanas de safari.”

“Os clientes ainda têm que pagar para que um taxidermista empalhe seus troféus, bem como pelo transporte destes para casa: isto são mais alguns outros milhares.”

“Eu não faço muitas caças de leão como costumava fazer. Provavelmente, no momento, eu faça uma a cada cinco anos.

Eu já estive na África várias vezes, mas, nos dias de hoje, não muito no Zimbabwe. Eu prefiro a Tanzânia.”

“A foto de um cliente com um leão foi tirada na Tanzânia.”

“A caça desportiva de grandes animais rende milhões para África, mas sempre há trapaceiros em todo lugar. Eu não conheço nenhum, nem saberia onde encontrá-los”.

“Tudo o que faço é legal e é por isso que as pessoas confiam em mim”.

Após a morte de Cecil, membros do Parlamento escocês estão criando um grupo parlamentar multipartidário que reunirá este mês para assinalar a situação das espécies ameaçadas de extinção.

Outros membros são mais favoráveis à caça.

Alex Stoddart, diretor da Associação Escocesa de esportes rurais, disse: “A pesca ou caça ilegal é um crime sério e seus responsáveis devem ser severamente julgados.”

“Contudo, é fato que, em algumas partes da África, não haveria vida silvestre se não houvesse caça.”

“Se a morte de um leão é feita de forma legal e metade das taxas vai para comunidade, isto é uma coisa boa. Não vejo razão para a VisitScotland remover seus links com o site de Peter Swales.”

Dr. Colin Shedden, do Grupo escocês de Turismo para esportes rurais disse: “VisitScotland somente estará interessada no que Peter Swales puder gerar para a economia escocesa.”

“Como muitos operadores, ele pode ter outros interesses que não se alinham com os da Escócia, mas ele é um agente responsável.”

“Esperar que VisitScotland se distancie dele é irracional”.

Um porta-voz da VisitScotland disse: “Nós trabalhamos com organizações de esportes rurais, pois eles são uma parte importante da economia de turismo, porém nós tentamos ser cuidadosos com as imagens que usamos, uma vez que entendemos que há fortes pontos de vista sobre isto.”

“Se alguém tiver algum problema com alguma coisa no nosso site, nós ficaríamos felizes de discutir sobre isso.”

Fonte: Daily Record

Nota do Olhar Animal: A discussão e as notícias continuam girando em torno da legalidade ou não da caça e não da aberração representada pela caça em si.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.