Escoteiros auxiliam ADAC na construção de casinhas para cachorros em Chopinzinho, PR

Escoteiros auxiliam ADAC na construção de casinhas para cachorros em Chopinzinho, PR

O frio intenso que castiga muitas pessoas, as quais não tem um abrigo adequado, também causa desconforto e sofrimento nos animais. Muitos acabam, até mesmo, morrendo devido as baixas temperaturas registradas. Isso ocorre principalmente com cães e gatos abandonados pelas ruas das cidades e que não conseguem se abrigar em locais adequados.

Em Chopinzinho, para evitar esse tipo de situação, casinhas para cães estão sendo disponibilizadas para abrigar animais resgatados das ruas e que vivem em lares temporários. A iniciativa é da ADAC (Associação dos Defensores dos Animais de Chopinzinho), que tem contado com apoio do Grupo de Escoteiros do município. Nos últimos finais de semana, voluntários da ADAC e Escoteiros se juntaram para construir casinhas. No primeiro fim de semana, dia 29 de junho, foram construídas sete casas de pequeno porte e, nesse último sábado, dia 6 de julho, foram construídas outras quatro, de porte maior.

Fotógrafo Marcus Lattmann, chefe do Grupo de Escoteiros de Chopinzinho. Foto: Reprodução Facebook

O fotógrafo Marcus Lattmann, que chefia o Grupo de Escotismo, explica que a iniciativa faz parte das atividades organizadas pela União dos Escoteiros do Brasil, que desenvolve anualmente o Multicom – Mutirão de Trabalhos Voluntários. “Então temos que montar um projeto e fazer com que esse projeto aconteça e crie uma melhoria dentro do nosso município ou da nossa sociedade né. Então, através de contato com o pessoal da ADAC nós desenvolvemos a construção dessas casinhas pra proteção dos animais, principalmente nessa época de inverno, quando os bichinhos acabam sofrendo muito né. Então, os meninos e meninas vieram durante dois finais de semana, construímos no total onze casinhas, sete para animais pequenos de quatro para os de grande porte, as quais a ADAC fará a doação”, explicou.

Professora Veroni Ruschel é umas das voluntárias que veste a camisa da ADAC em prol da causa animal. Foto: Reprodução Facebook

A professora Veroni Ruschel, que preside a ADAC, afirma que além do apoio dos Escoteiros com serviço de mão de obra para construção das casinhas, a entidade também contou com ajuda de padrinhos que fizeram a doação da madeira e da tinta, usadas em cada uma. “A gente pediu no face então muita gente apadrinhou o material para construção das casinhas, essas serão destinadas então aos cães que já estão em um lar temporário ou que estão em situação de risco né, que a ADAC acompanha, temos um cadastramento e os animais que estão em risco a gente tá levado agora com esse frio para os cães que estão nessa situação. São cães que algumas pessoas estão cuidando, que passaram por maus tratos ou que estavam na rua e algumas pessoas do bem se prestaram a cuidar eles e a gente então dá essa condição, a questão material de contribuir com uma casinha pra eles”, comentou.

Foram construídas ao todo onze casinhas, de dois tamanhos. Foto: Magayver dos Santos

A presidente ainda lembra que, além dessa ação, são desenvolvidas outras com o objetivo de manter o atendimento aos animais abandonados, que são resgatados das ruas. Uma das grandes preocupações é o custeio de assistência veterinária, que tem um custo mais elevado. Segundo Veroni, atualmente alguns cães que foram atropelados ou que estavam sofrendo por conta de outros problemas estão internados para tratamento e recuperação, por isso a ajuda da comunidade sempre é fundamental. “Nós precisamos sempre de ração, casinhas, agora estamos fazendo mas provavelmente não vai suprir toda necessidade né, então qualquer doação é bem-vinda, seja de ração, casinha, material, seja em valor que pode ser depositado direto nas veterinárias né, ou com os voluntários”, frisou.

O chefe do Grupo de Escoteiros, Marcus Lattmann, garante que é muito gratificante ajudar a sociedade de alguma forma, principalmente nesse caso os animais que não sabem pedir ajuda. “A gente tem que fazer isso por eles, mas é muito gratificante saber que os animais não estão maltratados. É aquele questão, se você não pode ter uma anima de estimação não tenha, mas se você tem cuida bem nele né, ele precisa de abrigo, de carinho e de cuidados veterinários e se você não pode fazer isso, entre em contato com a ADAC, que alguém vai cuidar dele muito bem”, destacou.

Por Evandro Carlos Artuzzi

Fonte: RBJ

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.