Gregoris Ceballos foi detido e acusado, informou o procurador Saab.

Esfolou um cachorro ‘para comê-lo’ como castigo por ter matado sete galinhas, em Guárico, Venezuela

Insólito e repudiável o ocorrido: Gregoris Ceballos, morador de Gúarico, “esfolou um cachorro para comê-lo”.

O caso foi informado no domingo 19 de abril pelo Procurador Geral da República, Tarek William Saab.

Ceballos foi privado de liberdade. O procurador Saab informou no Twitter que o homem divulgou seu delito nas redes sociais como suposto castigo pelo animal ter comido algumas galinhas.

A Misión Nevado descreve em sua conta no Instagram que, às 16 horas do sábado 18 de abril, foi realizada no Circuito Judicial Penal San Juan de los Morros, do estado Guárico, a audiência de apresentação de Gregoris Ceballos, “que ficou conhecido por gravar e publicar nas redes sociais um vídeo onde esfola um cachorro supostamente para comê-lo porque o animal havia matado setes de suas galinhas”.

Anteriormente, a Misión Nevado havia informado que, no vídeo de Ceballos, de 57 anos, “observa-se maus-tratos cruéis proporcionados a um cão mestiço, marrom, a quem o próprio Ceballos retira a pele com uma faca para comê-lo como castigo por haver comido várias de suas galinhas”. O criminoso foi colocado sob o comando da Ministério Público.

No sábado 18 de abril, o testemunho emitido por Ceballos perante a juíza foi que “não pode explicar de maneira coerente a causa de seus atos, alegando que desconhecia que estava sendo filmado e que só se tratava de “uma brincadeira””.

Alegou, também, que pendurou o animal “para retirar um tumor, conduta que também resultaria em punição por não se tratar de um médico veterinário no exercício de suas funções”.

Posteriormente, tomou a palavra o representante da Misión Nevado no estado Guárico, Joan Andrea, que fez a acusação fiscal, ilustrando sobre o conteúdo a Lei Animal Nacional em relação ao ocorrido.

“Invocada a solicitação de imputação por parte do promotor de flagrantes do MP, Luis Pérez, pelos delitos de maus-tratos a animal, tentativa de delinquir a alteração da ordem pública, a juíza da causa determinou a privação de liberdade do imputado até a constituição de quatro fiadores, assim como, posteriormente, a apresentação a cada 30 dias diante do Tribunal, proibição de saída do estado Guárico, assim como o cumprimento de 20 jornadas de trabalho comunitário em benefício dos animais a cargo da Misión Nevado”.

Por meio de um programa de rádio, o governador de Guárico, José Manuel Vásquez Aranguren, solicitou a aplicação da pena máxima para o criminoso.

Tradução de Bina Foloni

Fonte: Panorama

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.