Espanha manda sacrificar 895 vacas que passaram mais de 2 meses confinadas em um navio

Espanha manda sacrificar 895 vacas que passaram mais de 2 meses confinadas em um navio
Animais carregados pelo navio Karim Allah, em foto de 24 de fevereiro de 2021 — Foto: Tallia Shipping Line Co. Srl/Reuters

A Espanha mandou sacrificar 895 vacas que passaram mais de dois meses confinadas em um navio cargueiro no Mar Mediterrâneo – os animais começaram a ser abatidos no sábado (6).

Vídeo: Espanha manda sacrificar 895 vacas que passaram mais de 2 meses confinadas em navio.
 
O carregamento partiu para a Turquia ainda em dezembro do ano passado, mas as autoridades do país se recusaram a recebê-lo por suspeitar de uma infecção pelo vírus da doença da língua azul. 

A doença, que afeta apenas o gado, não apresenta risco de infecção para humanos e é transmitida por insetos.

Durante mais de dois meses, diversos outros países se recusaram a receber a carga animal que ficou confinada na embarcação Karim Allah, de bandeira libanesa, com comida e água em escassez.

Ativistas pelos direitos animais denunciaram as condições precárias do transporte, e um grupo de veterinários avaliou que os animais se feriram com a longa viagem.

Não está claro se o gado está realmente infectado, mas o Tribunal Superior de Madri decidiu pela suspensão de uma medida cautelar que impedia o sacrifício do carregamento.

Uma estrutura temporária foi construída dentro do porto de Cartagena para que as equipes sanitárias pudessem sacrificar e carregar as carcaças dos animais em contêineres.

Gado carregado por embarcação que ficou no mar por mais de 2 meses é sacrificado na Espanha, em foto de 27 de fevereiro de 2021 — Foto: Juan Medina/Reuters

Outra embarcação, o navio Elbeik, também deixou a Espanha em dezembro com cerca de 1,8 mil bovinos e está aportada próximo à costa do Chipre depois de não poder desembarcar sua carga.

O Ministério da Agricultura espanhol informou que segue as normativas europeias que prevêem a venda da carga recusada para outros países de fora do bloco, ou a destruição em seu país de origem.

Representantes do Partido Animalista da Espanha disseram ao “El País” que a operação mostra a “crueldade da indústria pecuária e a cumplicidade da administração pública”.

A organização Animal Welfare Foundation denunciou que esse tipo de comércio é pouco controlado e que os animais são “vítimas de arbitrariedades e erros”.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.