Espanha: mulher é presa por atirar seu cachorro do terceiro andar

Espanha: mulher é presa por atirar seu cachorro do terceiro andar
O animal que foi jogado pela janela. / M.G. (Huelva)

Uma mulher foi detida esta semana pela Polícia Nacional de Huelva, na Espanha, por um suposto crime de abuso de animais depois de atirar um dos seus cães de um terceiro andar, embora depois de ser levada à Justiça tenha sido libertada sob acusação, segundo fontes policiais.

Da mesma forma, indicaram que esta pessoa tinha mais animais aos seus cuidados, cuja custódia foi retirada após estes atos criminosos que foram denunciados publicamente por um abrigo de animais de Huelva nas suas redes sociais, nos quais indicou que o animal se encontrava “debatendo entre a vida e a morte” com “um pneumotórax, uma fratura no cotovelo de um membro anterior e uma fratura no fêmur de um membro posterior”.

Esta mesma protetora, chamada de A Tropa de Isra, indicou que depois de passar toda a manhã no tribunal “conseguiram retirar todos os animais do local, num total de três cachorras e uma gata”, a mesma protetora ficou responsável por duas cachorras, “a que está internada e uma fêmea Dogo Argentino”, além da gata. A terceira cachorra, “pequena e muito velha”, ficou sob responsabilidade da protetor Puntanimals.

Da mesma forma, informou que, além da retirada de todos os cães e gatos que esta mulher possuía, “foi obtida a desqualificação para que esta pessoa tivesse mais animais”. A Tropa de Isra sublinhou que “uma pessoa que é capaz de fazer o que fez nunca deveria ter um ser vivo aos seus cuidados”, pois disseram que “perante o abuso de animais não podemos ficar de braços cruzados, temos que agir.”

Por outro lado, a protetora agradeceu aos vizinhos da detida, que “testemunharam tudo”, que “não hesitaram um segundo em agir”, bem como à Polícia Nacional “por fazerem um trabalho exemplar” e ao juiz e funcionários “que tivemos esse tempo, tão envolvidos no abuso de animais”. Por último, a Tropa de Isra, que se encarregou do caso do cão atirado do terceiro andar e que se encontra em estado grave, solicitou a ajuda dos cidadãos, uma vez que os abrigos da província estão sobrecarregados de casos de abandono e maus-tratos, e pediu que eles “não nos deixem sozinhos” e colaborem financeiramente com as despesas veterinárias do animal.

Por Alice Wehrle Gomide

Fonte: Huelva Informacion

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.