Espanha: Seprona monitora a adoção de cães enquanto alguns centros de proteção fecham e outros pedem mais

Espanha: Seprona monitora a adoção de cães enquanto alguns centros de proteção fecham e outros pedem mais
Vários cães com um voluntário do centro de proteção chamado LA CAMADA de Guadalajara / Foto: La Camada

Os agentes do Serviço de Proteção à Natureza (Seprona) visitam, em algumas comunidades, centros de proteção ou abrigos de animais e coletam dados de todas as pessoas que adotaram um cão ou gato durante o estado de alerta, com o objetivo de perseguir posteriormente casos de abandono que se produzam. Por sua vez, tanto os Voluntários da FAADA quanto os Voluntários Itinerantes lançaram um grito de socorro, pelos abrigos que estão à beira do colapso e pediram ao governo que autorize urgente e expressamente a adoção de animais abandonados nos abrigos, que emita uma moratória na criação de animais destinados à venda e que esclareça que tipo de auxílio essas associações podem recorrer.

Em Astúrias, o Ministério do Meio Ambiente do Principado enviou uma carta aos centros de acolhida de animais abandonados, solicitando que disponibilizassem à Administração as “informações dos adotantes durante o estado de alerta”, com o objetivo de monitorar se há algum resgate realizado com o objetivo de “usar o animal para burlar o confinamento” e subsequente abandono, de acordo com fontes do mencionado Ministério.

Por esse motivo, os agentes do Seprona visitaram diferentes abrigos. Uma das principais associações de defesa de animais do Principado, La Protectora, recebeu uma visita dos guardas do Seprona para coletar os dados. Essa organização é uma das poucas que hoje em dia realiza adoções, já que a maioria decidiu paralisá-las até que o estado de alerta seja suspenso.

Embora a adoção de animais não seja mencionada expressamente no decreto de confinamento, diferentes organizações de animais entendem que não são permitidas ou pelo menos não autorizadas.

Nesse sentido, a Faada, Fundación para el Asesoramiento y Acción en Defensa de los Animales, lançou uma petição ao Governo para autorizar expressa e urgentemente a adoção de animais de abrigos que, segundo ele, estão à beira do colapso.

“Embora na atual situação de crise causada pelo COVID-19 não tenha havido um aumento significativo no número de abandono de animais em abrigos na Espanha, que lidera as estatísticas a esse respeito na Europa, a situação neles é agravada pela entrada de animais de pessoas infectadas ou mortas pela doença”, indicam.

Para os animalistas, “como não há autorização expressa para processar adoções de animais pela internet, é sob a interpretação dos agentes que atuam se esse deslocamento ocorre em casos de força maior. Embora essa medida tenha sido tomada com medo de possíveis adoções fraudulentas e com o bom objetivo de proteger os animais, não levou-se em consideração que um destino ruim também poderia ser atingido por animais comprados pela Internet e que, em muitas comunidades autônomas, os animais que poderiam ter sido salvos através da adoção são eutanasiados após o período estabelecido por lei”, qualificam.

Além da autorização de acolhida ou adoção, a Faada solicita ao governo que “estabeleça uma moratória relativa à criação de animais destinados à venda classificados como “animais domésticos ou exóticos”, e proíba a entrada de espécimes de outros países até que o problema de saturação de abrigos e centros de acolhida para animais abandonados seja resolvido”.

Voluntários itinerantes

Também na associação de Voluntários Itinerantes, cuja missão é ajudar centros de proteção e abrigos de animais, iniciou-se uma campanha diante da grave situação em que estão as entidades que zelam pelo bem-estar animal, devido principalmente à falta de voluntários e à redução das adoções.

A associação enviou um manifesto, ao qual aderiram mais de 200 organizações de toda a Espanha, à Diretoria Geral de Direitos dos Animais, no qual exigem informações sobre “a ajuda que os protetores podem contar para superar a crise derivada da pandemia, tendo em mente que muitas dessas entidades já estavam à beira do colapso econômico”.

Para os Voluntários Itinerantes, é hora de o Governo demonstrar verdadeiramente que está preocupado com a defesa dos animais. “Estamos cientes de que todos os setores da sociedade precisarão de apoio público para sair da rotina, mas a proteção animal nunca foi uma prioridade para o Estado e acreditamos que esta seja a oportunidade para que isso mude e para o atual governo demonstrar seu envolvimento no bem-estar dos animais”.

Por Emer Iglesias / Tradução de Thaís Perin Gasparindo

Fonte: La Razón

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.