‘Esquadrão de ataque’ chinês agride cães encontrados na rua após as 19 horas, com frequência até a morte

‘Esquadrão de ataque’ chinês agride cães encontrados na rua após as 19 horas, com frequência até a morte
Imagens chocantes mostram cães sendo agredidos na China.

CUIDADO – IMAGENS FORTES: Alguns dos cães são até afogados, em Hangzhou, China, após a cidade ter proibido 34 raças de cães.

https://www.youtube.com/watch?v=c_lDLDtGYcU

Filmagens chocantes capturam oficiais do governo chinês que aparecem batendo e torturando cães, às vezes até a morte, nas cidades em plena luz do dia.

Tutores de cães foram proibidos de passear com seus animais das 7 da manhã até às 7 da noite em Hangzhou, China, e se os oficiais virem os cães na rua durante essas horas, devem apreendê-los.

Acredita-se que mais tarde os cães são brutalmente assassinados por tortura e até mesmo afogados.

Imagens horríveis na mídia social mostram cães pegos em redes e arrastados para longe de seus tutores devastados, e outros sendo agredidos repetidas vezes com paus e bastões.

Outros vídeos, classificados como muito chocantes para o MirrorOnline publicar, até revelam oficiais ao afogar cães e os agredir até a morte.

Mas o departamento de urbanismo de Hangzhou negou com veemência a tortura de qualquer animal. Eles dizem que os homens que aparecem nos vídeos não são funcionários do governo.

Supõe-se que a agressão tenha começado na primeira quinzena de novembro depois que os regulamentos ultra rigorosos da cidade entraram em vigor. O passeio com cães das 7 da manhã até às 7 da noite foi proibido depois de um cão ter atacado uma mãe e suas duas crianças no começo desse mês.

E 34 raças de cães foram proibidas na cidade, inclusive Bull Terriers, Dobermanns, Boxers e Staffordshire Bull Terriers.

Aqueles que violarem qualquer uma dessas normas, podem receber uma multa de 1.000 yuan (cerca de R$ 565) e ter sua licença para posse de cães revogada.

Em um vídeo compartilhado no Twitter, um homem pode ser visto ao bater várias vezes em um cão negro, com um ancinho ou pá.

Parece que outro homem segura o cão.

A gravação é cortada e parece que vários homens carregam um cão em uma rede verde pela rua.

As filmagens causaram revolta ao redor do mundo.

Outro vídeo captura o que parece ser um oficial retirando um cão branco de um tutor aflito.

Ele então anda até uma van com o cão firme em sua mão.

Um terceiro vídeo mostra um homem a lutar com um cão preso em outra grande rede verde.

A maioria dos vídeos foi compartilhada de forma ampla no Twitter por cidadãos revoltados.

Uma mulher escreveu: “Por que as autoridades pegam animais de estimação para tortura e alimento?”

Outra acrescentou: “Eu fico horrorizada quando leio coisas como esta! Não posso acreditar que este tipo de coisa acontece.”

E uma terceira simplesmente comentou: “Este é um dia triste”.

Oficiais são vistos quando capturam e batem em cães.

Qin Xiaona, diretora da Capital Animal Welfare Association e há tempos ativista dos direitos dos animais, disse que um medo profundo de cães revelou uma sociedade cheia de insegurança. “Há uma falta de empatia pelos cães e também uma falta de confiança entre os humanos”, ela disse, e chamou as novas restrições de Hangzhou de “regressivas”, “preguiçosas” e “desumanas”.

A brutalidade repentina ocorreu depois de um cão ter atacado uma mãe e suas duas crianças em uma rua de Hangzou, no começo de novembro.

Autoridades negam a tortura de animais na China.

Dizem que a mãe deu um chute de leve no cão para proteger seus filhos, mas o tutor do cão enfureceu. Acredita-se que os dois brigaram na rua.

Mas a autoridade local insiste que os homens nos vídeos não são funcionários do governo e pede para que o público não acredite nos “rumores” sobre os cães e seus agentes.

Acrescentou que a “disseminação maliciosa” dos rumores foi reportada para a agência de segurança pública, e ressalta que alguns homens uniformizados nas filmagens não são agentes do governo.

Por Bradley Jolly / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Mirror

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.