Estado na Índia bane sacrifícios de animais em rituais religiosos

Estado na Índia bane sacrifícios de animais em rituais religiosos

Tradução de Igor Leutz

INDIA hindu slaughter 3024297b

O Supremo Tribunal em Himachal Pradesh, norte da Índia, baniu a antiga tradição local em que animais eram sacrificados por questões religiosas, alegando que tais práticas são cruéis e ‘bárbaras’. O Tribunal ainda solicitou à polícia, e outros oficiais, que fizessem valer a proibição, principalmente no que diz respeito ao abate de cabras em templos hindus espalhados por todo o estado.

Dois juízes presentes na última sessão (26/08/2014), disseram que mais ninguém sacrificará animais em nome de adorações. “Milhares de animais são sacrificados todo ano em nome de cultos. Estes sacrifícios causam dor e sofrimento extremos aos animais. Tais sacrifícios, com requintes de barbárie, não podem ser permitidos para satisfazer uma divindade”, afirmaram na ocasião.

O Supremo Tribunal também questionou as razões que justificariam a existência e a necessidade de tais sacrifícios ainda nos dias de hoje, reforçando que “tais rituais têm de mudar na Era Moderna”.

Ativistas pelos direitos animais apresentaram uma petição, decisiva na consideração do Tribunal, e comemoraram o feito após longa espera pela resposta. “Ficamos muito contentes com a decisão de proibição de sacrifício de animais, uma vez que ela terminará com séculos de crueldade praticada em nome da religião”, disse o ativista local Rajeshwar Negi.

No entanto, o deputado estadual Maheshwar Singh defendeu as práticas, alegando que “essa decisão é contra crenças tradicionais e os costumes de muitas pessoas”.

Com o objetivo de agradar divindades hindus, cabras e ovelhas são sacrificadas no início do inverno em diversos templos espalhados por Himachal Pradesh. Os animais são simbolicamente oferecidos à divindade e depois são servidos de alimento aos camponeses e seus convidados durante o período de frio.

Em alguns festivais, conhecidos como Shaand e Bhunda, os animais são sacrificados logo na entrada dos templos, onde são mortos a sangue frio com a utilização de facões.

Fonte: AFP

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.