Estas imagens perturbadoras revelam como os animais nos circos realmente se sentem

Aqui no One Green Planet, não estamos alheios ao fascínio dos circos. As luzes, as cores vibrantes, as fantasias engraçadas, o algodão-doce e a pipoca, a grande tenda, a oportunidade de ver animais exóticos bem de perto… nós entendemos. Sabemos por que mães e pais pensam que planejar uma ida ao circo é um evento divertido e excitante que a família inteira pode aproveitar. Entretanto, também somos capazes de ver além desse lindo jogo de cores, da música e da empolgação disso tudo, e deduzimos que o “circo engraçado e empolgante” pode não ser engraçado nem empolgante para os animais forçados a se apresentarem nele. Afinal de contas, os animais não entraram no circo porque quiseram, eles foram arrastados para lá contra sua própria vontade. E, uma vez que os treinadores conseguiram prender os animais com sucesso, eles aplicam uma variedade de táticas cruéis de uma variedade de táticas cruéis de treinamento. Isto inclui acorrentar os animais à parede pelo pescoço para fazer com que eles fiquem de pé nas pernas traseiras. Chicoteá-los para que fiquem submissos e associem erros à dor para que eles possam apresentar seu show de maneira perfeita. E, é claro, fazer com que eles passem fome se eles não se apresentaram “bem o suficiente”.

Existem várias organizações trabalhando sem parar para colocar um fim nos circos e em toda a crueldade que eles englobam, e eles seguem essa missão em uma variedade de formas. Algumas organizações entram nos circos e colocam câmeras escondidas para capturar o que acontece quando o show acaba. Outras irão escrever artigos detalhados descrevendo quão sombria é a vida dos animais de circos quando comparada com o tipo de vida que eles teriam se estivessem na selva. E algumas escolhem compartilhar fotografias poderosas destinadas a dar às pessoas uma ideia melhor do que a vida no circo realmente é para os animais.

A fotógrafa Britta Jaschinski, por exemplo, recentemente ganhou aclamação crítica por algumas de suas fotografias de sua coleção denominada de No Voice No Choice (Sem Voz Sem Escolha).

Sem cor, estas imagens capturam a verdadeira essência de como é para um animal preso em um circo. Este orangotango de Bornéu pertence à selva, mas ao invés disso, toda sua dignidade lhe foi drenada, ele foi forçado a se vestir em trajes ridículos e treinado para agir como se ele estivesse se divertindo muito enquanto seu rosto mostra que ele claramente se sente miserável.

Foto: Britta Jaschinski.
Foto: Britta Jaschinski.

Estes grandes felinos deveriam estar patrulhando seu território na selva. Ao invés disso, eles são forçados a ficar em bancos enquanto homens com varas os provocam. É a isto que os circos reduziram uma das espécies mais ferozes na Terra. Desolador.

Foto: Britta Jaschinski.
Foto: Britta Jaschinski.

A silhueta deste urso andando por uma corda é muito menos empolgante sem todas as cores, luzes e música. Nenhum urso deveria ser forçado a fazer isso.

Foto: Britta Jaschinski.
Foto: Britta Jaschinski.

Estas imagens quebram qualquer argumento que diz que estes animais são felizes. Sua linguagem corporal passa somente uma mensagem: Eu gostaria de poder estar em qualquer lugar, menos aqui.

Foto: Britta Jaschinski.
Foto: Britta Jaschinski.

Estas fotos podem ser em branco e preto para um efeito dramático, mas o medo e a miséria nos rostos destes animais não são nada dramatizados. Estes animais podem não ter a habilidade de falar verbalmente e nos contar quão deprimidos eles estão, mas estas fotos falam por si próprias. Embora já tenham ocorrido alguns avanços para acabar com o uso de animais selvagens nos atos dos circos, estes não estão ocorrendo na velocidade que este assunto merece. A melhor forma de ajudar a acelerar este processo é boicotando todos os circos ou apresentações que usam animais para o entretenimento. Clique aqui para saber mais sobre como você pode ajudar a acabar com o uso de animais em circos.

Por Veronica Chavez / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.