Este movimento está ajudando animais da pecuária industrial ao expor seu sofrimento para que o mundo veja

Este movimento está ajudando animais da pecuária industrial ao expor seu sofrimento para que o mundo veja
Foto: pippeeContributor / Shutterstock

O grande escritor Leo Tolstoy uma vez disse, “quando o sofrimento de outra criatura faz com que você sinta dor, não se submeta ao instinto inicial de sair de perto de quem sofre, mas, pelo contrário, vá mais perto, tão perto quanto possível daquele que sofre, e tente ajudar”. Esta noção é particularmente relevante quando se trata do sofrimento enfrentando pelos animais de criação – suas curtas vidas são repletas de miséria, crueldade, e luto. Para alguns, é fácil fingir que não viu, ignorar a triste realidade por trás da pecuária industrial e continuar a viver sem nenhum arrependimento. Para outros, a agonia sofrida pelos animais de criação é muito grande para que possa ser ignorada, resultando no desejo de ser testemunha de seu sofrimento. Eles merecem ser vistos.

Pecuária Industrial é uma pecuária industrializada em larga escala, com o objetivo de maximizar o lucro às custas dos animais. Nos EUA, cerca de 99,9 por cento dos frangos de abate, 97 por cento das galinhas poedeiras, 99 por cento dos perus, 95 por cento dos porcos e 78 por cento do gado bovino são criados em fazendas industriais.

A vida dos porcos na pecuária industrial

A maioria dos animais criados para corte, ovos e laticínios se encontra confinada em galpões lotados e sem janelas, incapazes até mesmo de se virarem. As porcas usadas para reprodução são mantidas em baias de gestação minúsculas – usadas e exploradas até que elas não sejam mais lucrativas e então enviadas ao abate.

Os porquinhos são retirados com aproximadamente 20 dias de idade e enviados a uma “fazenda de engorda” até que eles atinjam o peso padrão de mercado. Com somente seis meses de idade, esses porquinhos serão colocados dentro de um caminhão com centenas de outros e enviados para o matadouro, frequentemente por longas distâncias sem comida nem água. Suas vidas desde o nascimento são repletas de dor, confusão e miséria.

Esta é uma indústria que tenta esconder seus segredos obscuros por trás de portas fechadas e longe dos olhos do público em geral. Graças a um grupo inabalável de pessoas, a verdade por trás da pecuária industrial e do matadouro está sendo mostrada para todos.

Toronto Pig Save

Em 2010, as sementes de um novo movimento foram plantadas com a criação de uma organização conhecida como Toronto Pig Save (Salvar os Porcos de Toronto) – um grupo de indivíduos com personalidades fortes, determinado a fazer a diferença para os animais. Co-fundado por Anita Krajnc, seu principal propósito é testemunhar os porcos a caminho do matadouro ao estarem presentes fisicamente quando os caminhões cheios de porcos chegam ao matadouro. Esta é uma forma de mostrar os problemas relacionados ao maltrato desses animais dóceis para que o mundo veja.

Foto: L. Jorgensen 24/09/15

O grupo realiza vigílias semanais em matadouros de Toronto, em Ontário, onde eles são capazes de se conectar com os animais rapidamente antes dos porcos serem levados para suas mortes. Conforme Anita explicou em uma postagem comovente no blog:
“Você pode imediatamente discernir confusão, medo e dor em seus cativantes olhos e nos arranhões e cortes nos corpos dessas almas gentis originados pelo manuseio grosseiro… Olhar os porcos, tocar seus focinhos conforme eles os colocam para foram nos buracos de entrada de ar para cheirar nossas mãos, ouvi-los grunhir para se comunicarem com a gente e entre eles, fortalece nosso objetivo de fazer tudo que pudermos para ajudá-los”.

A ideia é simples, porém eficiente, ser testemunha dos animais a caminho do matadouro – reconhecê-los, confortá-los e conscientizar sobre seu sofrimento. As raízes desse movimento rapidamente começaram a se espalhar e hoje há mais de 100 grupos “save” ao redor do mundo, com mais aparecendo a cada semana que passa.

The Save Movement

The Save Movement (O Movimento Salvar) é uma rede mundial de indivíduos que testemunham porcos, vacas, galinhas e outros animais de criação a caminho do abate, ao realizar vigílias regulares nos matadouros. Os animais, assim como os ativistas, são fotografados e documentados como uma forma de espalhar a conscientização global.

Ao compartilhar histórias, fotografias e vídeos na mídia social, esses grupos estão fazendo com que seja impossível que outras pessoas ignorem e finjam que isso não está acontecendo. O objetivo geral é ter grupos presentes em cada matadouro para criar “um movimento popular em massa pela justiça animal”. Hoje, há grupos localizados em Londres, Los Angeles, Melbourne e Vancouver (para citar somente alguns).

Como você pode ajudar

Se envolver neste movimento é um ótimo jeito de começar se você está buscando justiça para os animais de criação. Ir a uma vigília em sua cidade, ou começar um grupo entrando em contato com o Save Movement, se não houver um. Você também pode ajudar apoiando santuários de animais de criação e centros de resgate locais.

Mostre aos outros a verdade por trás da pecuária industrial. Não vire as costas para o sofrimento. Todos nós podemos fazer a diferença nas vidas dos animais de criação!

Por Karyn Boswell / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.