EUA: Tartarugas atravessam pista de pouso construída em seu habitat

EUA: Tartarugas atravessam pista de pouso construída em seu habitat

Aeroporto foi construído em baía que é habitat dos animais. Este ano, 80 tartarugas foram resgatadas da pista.

Por Elaine Bast

US ny tartarugasnapista

No aeroporto mais movimentado de Nova York, os aviões são ágeis nas decolagens, mas a velocidade é ameaçada por uma barreira nem tão rápida assim: as tartarugas, que atravessam devagarinho a pista de pousos de decolagens.

Assim que são avistadas, vem o alerta da torre: a lentidão se estende para os voos, que são atrasados até que elas sejam retiradas. O aeroporto Kennedy foi construído no meio de uma baía, habitat preferido das tartarugas-de-dorso-de-diamante.

Na metade do ano, elas deixam a água para colocar ovos em terreno seguro. Lauren é bióloga e ajuda o aeroporto a lidar com as tartarugas. “Qualquer coisa pode ser uma ameaça para uma aeronave então nós monitoramos toda a população de animais neste entorno”, diz ela.

Em 2002, 800 tartarugas foram resgatadas da pista. Ano passado, 400 e este ano, até agora, 80. O número vem caindo depois que o aeroporto instalou um tubo plástico de um quilometro e meio de extensão para manter as tartarugas longe da pista de do caminho dos aviões.

A colisão de aeronaves com animais ainda traz vários desafios para a aviação nos Estados Unidos. Hoje, mais de 800 aeroportos civis e militares possuem equipes de biólogos que ajudam a monitorar a vida selvagem no entorno da pista de pouso e decolagem. As tartarugas que frequentam o JFK são apenas um exemplo. Assim como no Brasil, o maior problema no céu americano são as aves.

Em 25 anos, foram registrados mais de 142 mil incidentes envolvendo aviões e animais – 97% deles, com aves. O restante dos animais terrestres como raposas, (2,2%) morcegos (2,2%) e répteis como a tartaruga (0,7%).

Os estragos na fuselagem dos aviões e os atrasos por causa disso causaram um prejuízo no ano passado de US$ 103 milhões.

O caso mais conhecido aconteceu em 2009. Logo após a decolagem, gansos entraram nas duas turbinas de um airbus, o que fez a aeronave perder a força. O piloto decidiu fazer um pouso de emergência no Rio Hudson. O avião deslizou 600 metros e parou. Todos os 155 passageiros sobreviveram. Chesley Sullemberg virou um herói. Atualmente, o piloto é aposentado e dá consultoria em segurança aérea.

Fonte: Jornal Hoje

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.